México cobra do Brasil controle dos imigrantes que tentam entrar clandestinamente nos EUA

Foto8 Marcelo Ebrard México cobra do Brasil controle dos imigrantes que tentam entrar clandestinamente nos EUA
“(Nós) precisamos da solidariedade deles. Do Brasil, porque é onde as pessoas de fora do continente chegam”, disse o chanceler Marcelo Ebrard

Com frequência, o México é utilizado como “trampolim” por imigrantes de várias nacionalidades na rota rumo aos EUA

Após ser pressionado pelo Presidente Donald Trump, o governo mexicano cobrou do Brasil o controle dos brasileiros que viajam até o México e tentam atravessar clandestinamente a fronteira do país com os EUA. O México é utilizado como “trampolim” por inúmeros imigrantes na rota rumo aos EUA, especialmente, aqueles oriundos da América Central, onde a vigilância mexicana na divisa com os países vizinhos é quase inexistente.

“(Nós) precisamos da solidariedade deles. Do Brasil, porque é onde as pessoas de fora do continente chegam. Do Panamá, porque é onde chegam cubanos e haitianos. Da Guatemala, porque é por onde passam hondurenhos e salvadorenhos”, disse chanceler mexicano, Marcelo Ebrard.

“É preciso haver uma presença diferente do Estado mexicano no sul. Você vai ao sul e a primeira coisa que se pergunta é ‘certo, onde está a fronteira?’ Não há nada. A ideia é fazer o sul como o norte, tanto quanto possível”, acrescentou.

O acordo entre o México e os EUA determina o prazo de 45 dias para a diminuição do fluxo de imigrantes que atravessam o país rumo aos EUA. Caso isso não ocorra, o México comprometeu-se a avaliar a possibilidade de começar a aceitar os imigrantes como refugiados em seu próprio território.

O Itamaraty informou que não foi contatado por nenhum governo sobre o assunto.

Durante a coletiva de imprensa na terça-feira (11), Trump exibiu aos repórteres uma folha de papel dobrada em três na qual, segundo o Presidente, continha o acordo entre os EUA e México. Durante o encontro no jardim da Casa Branca, Trump não mostrou o papel aos jornalistas.

“Este é o acordo que todos dizem que eu não fiz. Vou deixar o México fazer o anúncio em tempo hábil”, informou Trump aos repórteres.

Entretanto, para cumprir o compromisso, o México deverá reformar as instalações dos postos de segurança na fronteira do país com a América Central, detalhou o chanceler, citando o contraste com relação à fronteira norte. No mesmo tempo em que a fronteira norte era modernizada, a fronteira sul foi negligenciada.

“Porque a realidade é que é preciso fazer um esforço muito grande”, disse ele.

O chanceler Andrés Manuel López Obrador informou que o México estaria agilizando o envio da Guarda Nacional à divisa com a Guatemala e que todos os imigrantes que entrarem no país terão que se registrar junto às autoridades locais.

O acordo entre os governos mexicano e dos EUA, anunciado na sexta-feira (7), evitou a cobrança de tarifas extras sobre todas às exportações mexicanas. Apesar de todas as concessões feitas pelo país vizinho, os EUA foram duramente criticados por ter voltado atrás nas negociações. Em decorrência disso, desde segunda-feira (10), Trump vem garantindo que levará as tarifas adiante, caso o governo mexicano não cumprir uma parte ainda não revelada do acordo. Na quarta-feira (12), o governo mexicano negou que existam partes não divulgadas no acordo com Trump.

O Brasil possui um papel duplo na onda migratória, porque funciona tanto como “corredor” quanto “destino final” de imigrantes oriundos da América do Sul, África e Ásia.

Fonte: Brazilian Voice

Comentários Facebook