Indocumentado pega 22 anos de prisão por matar ex-patroa em NY

Foto10 Esdras Marroquin Gomes e Lois Colley Indocumentado pega 22 anos de prisão por matar ex patroa em NY
Esdras Marroquin Gomes (esq.), de 34 anos, foi condenado entre 22 anos de detenção à prisão perpétua pelo assassinato de Lois Colley (dir.), de 83 anos

Esdras Marroquin Gomes matou a socialite Lois Colley com um extintor de incêndio na mansão da vítima, em North Salem (NY)

Um imigrante indocumentado foi sentenciado entre 22 anos de detenção à prisão perpétua por ter assassinado a milionária e socialite do Condado de Westchester (NY), Lois Colley, na fazenda dela, onde trabalhou como diarista. O guatemalteco Esdras Marroquin Gomez, de 34 anos, agrediu a idosa de 83 anos até a morte com um extintor de incêndio em North Salem (NY), em 15 de novembro de 2015.

Ele se declarou culpado de assassinato em 2º grau, em maio, por atacar a socialite, cujo filho playboy ajudou a romper o casamento do Governador Andrew Cuomo.

Antes de o réu ser sentenciado, a promotora Julia Cornachio leu uma carta do marido de Colley, que estava no tribunal, de acordo com o Journal News/lohud.com. Eugene Colley, que pediu ao Juiz George Fufidio a impor a sentença máxima, escreveu que ele chamava a esposa por dois apelidos: “amor da minha vida” e “querida”.

Cornachio disse: “Este réu bateu no rosto dela. A insensibilidade e o mal que isso exigiu… é incompreensível”.

Especula-se que Gomez foi à Windswept Farm, a propriedade da família de 300 acres, no dia do crime tentando para ser pago por uma lesão que sofreu no ano anterior.

A neta da vítima, Christine Colley, disse ao tribunal: “Estou triste, estou com raiva e com medo”, acrescentando que faria tudo o que pudesse para garantir que Gomez nunca mais visse a luz do dia.

A advogada de Gomez, Cynthia Lobo, disse ao tribunal que “este é um dia muito triste”, acrescentando que “há duas famílias enlutadas” e que a família do réu está na Guatemala.

“Como isso aconteceu?”, perguntou Lobo, antes de descrever como Gomez cresceu na Guatemala com 9 irmãos e estudou para se tornar pastor evangélico, antes de deixar seu país em 2006 e imigrar aos EUA visando ganhar mais dinheiro para sua família.

Gomez se tornou um trabalhador para a família Colley aproximadamente em 2007 e ganhava US$ 100 por dia, relatou Lobo. Em 2013, ele cortou gravemente sua perna em um acidente com um motosserra na propriedade de Colley, disse ela. Depois de se recuperar, ele tentou voltar ao trabalho, mas foi informado que os Colleys não o queriam mais, detalhou.

No dia do assassinato, Gomez foi à fazenda falar com Eugene Colley, não com a intenção de matar a esposa do também ex-patrão, disse Lobo.

Mas ele “perdeu o controle” em um “dia hediondo”, acrescentou.

Quatro dias depois, Gomez pegou um voo do aeroporto JFK rumo à Guatemala. Ele foi rastreado no México, no ano seguinte, e quando foi deportado para a Guatemala, seu voo parou em Miami (FL), onde ele foi preso por agentes do FBI.

Bruce, o filho de Colley, prejudicou o casamento de Cuomo com a política Kerry Kennedy quando ele teve um caso com ela em 2003. Já Eugene Colley acumulou sua fortuna através de um império de mais de 100 franquias do McDonald’s.

Fonte: Brazilian Voice

Comentários Facebook

Marcações: