Brasileiro cumprindo prisão perpétua é acusado de reentrar ilegalmente no país

Foto10 Walter Gomes da Silva Brasileiro cumprindo prisão perpétua é acusado de reentrar ilegalmente no país
Apesar de já estar cumprindo pena, Walter Gomes da Silva é acusado de ter reentrado clandestinamente nos EUA
Foto10 Sabrina da Silva Brasileiro cumprindo prisão perpétua é acusado de reentrar ilegalmente no país
Sabrina da Silva, de 19 anos, foi atingida por 9 tiros disparados pelo próprio pai, Walter Gomes da Silva

Walter Gomes da Silva reentrou clandestinamente nos EUA depois de ter sido deportado várias vezes

Na quinta-feira (7), Walter Gomes da Silva, de 47 anos, que cumpre prisão perpétua por ter matado a tiros a própria filha, Sabrina da Silva, compareceu ao Tribunal Federal em Boston (MA). Ele foi acusado de ter entrado clandestinamente nos EUA depois de ter sido deportado. As informações são da Procuradoria Pública Distrital de Massachusetts.

Conforme os documentos apresentados na Corte, o brasileiro foi descoberto pelas autoridades migratórias em 1998, quando era detento no Centro de Correções de Bristol. Na ocasião, Silva cumpria a pena de 2 anos por violência doméstica e agressão. Após o cumprimento da sentença, ele foi posto em processo de deportação e, em 29 de novembro de 1999, foi enviado ao Brasil.

Posteriormente, Walter reentrou clandestinamente nos EUA. Em 2003, ele foi condenado na Corte Superior de Middlesex de agressão e ataque com arma perigosa e agressão com a intenção de matar e foi sentenciado entre 8 a 10 anos de prisão. Depois de cumprir a sentença, Silva foi posto em processo de deportação e, em 27 de março de 2012, foi enviado novamente ao Brasil.

O brasileiro reentrou novamente clandestinamente nos EUA e, em 2016, foi acusado no Condado de Bristol de porte ilegal de arma e ter matado a tiros a própria filha. Em 2018, ele foi considerado culpado de homicídio e sentenciado entre 25 anos e prisão perpétua pelo crime. Na ocasião, ele alegou que se sentiu “desrespeitado” pelo fato de a filha estar namorando um homem mais velho.

A acusação atual exige a sentença máxima de 20 anos de detenção, até 3 anos de liberdade condicional e multa de US$ 250 mil. As sentenças são impostas por um juiz da Corte Distrital tendo como base as Diretrizes de Sentenças dos EUA e outros fatores estatutários.

O promotor público Andrew E. Lelling e Todd M. Lyons, diretor do Departamento de Imigração (ICE) na jurisdição de Boston (MA), e Kenneth G. Shine, da Unidade de Combate a Crimes Graves, são responsáveis pelo caso.

. Homicídio:

Conforme o Promotor Público Thomas Quinn III, do Condado de Bristol, o brasileiro admitiu no tribunal ter atirado e matado Sabrina da Silva, de 19 anos, na cidade de New Bedford (MA), em julho de 2016. As informações são do canal de TV local 12-WPRI.

As autoridades alegaram que Silva matou a filha porque estava aborrecido com o fato de que ela estava envolvida romanticamente com um homem mais velho. “É realmente quase inimaginável que ele tenha matado a própria filha porque estava zangado por ela tê-lo ‘desrespeitado”, disse Thomas, no em que foi lida a sentença.

Walter assumiu a acusação de homicídio em 2º grau como parte do acordo e será elegível para liberdade condicional após ter servido 25 anos da sentença. Além disso, ele assumiu a culpa por posse ilegal de arma de fogo e porte ilegal de arma de fogo carregada, detalhou Quinn. Pelo porte ilegal de arma, ele foi condenado a 3 anos de detenção, os quais cumpre antes de cumprir a prisão perpétua, e pela acusação pelo porte de arma carregada, Ele foi sentenciado a 2 anos de prisão, que serão cumpridos junto à prisão perpétua.

O crime bárbaro aconteceu às 10:10 da  noite no estacionamento do conjunto residencial Verdean Gardens, na região sul do centro de New Bedford. O Promotor Público Bob DiGiantomaso disse ao Juiz William Sullivan que Silva confrontou a filha no estacionamento na 9 Bedford St., onde ela morava e retornava para casa depois de ter ido ao supermercado. Eles discutiram rapidamente e, quando Silva tentava levar a filha, a jovem se desvencilhou dele. Então, Walter sacou uma pistola 0.9 mm carregada e a alvejou diversas vezes. Conforme documentos apresentados no tribunal, Sabrina foi atingida 9 vezes.

A jovem tinha medo do pai porque estava namorando um homem muito mais velho que ela e Walter não aprovava o relacionamento, detalhou DiGiantomaso. Além disso, Silva estava aborrecido porque a filha não o havia visitado em Connecticut no Dia dos Pais. O Promotor disse que o réu decidiu “em questão de segundos” matar o “próprio sangue dele porque se sentiu desrespeitado”.

Kathleen Carrancho detalhou que a meia-irmã concluiu o curso Supletivo (GED) e estudava no Bristol County Community College (BCC) para se tornar intérprete. Ela era uma “mãe maravilhosa” e a filha pequena da vítima sempre pergunta quando ela voltará para casa.

Fonte: Brazilian Voice

Comentários Facebook