Vacinação contra Covid-19 nos EUA enfrenta atrasos e fica abaixo da meta para 2020

Autoridades americanas reconheceram que a vacinação contra a Covid-19 nos Estados Unidos enfrenta atrasos e que o país não vai alcançar a meta estabelecida para 2020 – que era vacinar 20 milhões de pessoas em dezembro. Até as 11h (horário de Brasília) de quarta-feira (30), cerca de 2,8 milhões de pessoas haviam sido vacinadas no país, e 12,4 milhões de doses de vacinas haviam sido distribuídas.

Os dados são os mais recentes disponíveis no site do Centro de Controle de Doenças americano (CDC, na sigla em inglês). O número é uma estimativa para baixo por causa do atraso das notificações. Na quarta-feira (30), o conselheiro científico da operação de vacinação do país, Moncef Slaoui, confirmou que o número de vacinados está abaixo do esperado. “Nós sabemos que deveria ser melhor, e estamos trabalhando duro para torná-lo melhor”, declarou. A operação de vacinação, chamada de Warp Speed, tem como meta produzir e distribuir 300 milhões de doses de vacinas nos Estados Unidos até janeiro.

EUA devem começar vacinação com doses da Pfizer nesta segunda-feira, 14 - Jornal Opção

Aplicação lenta

Os Estados Unidos têm duas vacinas aprovadas contra a Covid-19. A primeira foi a da farmacêutica Pfizer, aprovada no dia 13 e que começou a ser aplicada no dia 14. A segunda vacina aprovada foi a da Moderna, no dia 19. O início da distribuição foi no dia seguinte. O líder de logística da Warp Speed, o general Gustave Perna, disse que o CDC ainda está reunindo dados para entender a aplicação lenta das vacinas distribuídas. Ele apontou para alguns fatores possíveis, como o recesso do fim do ano e o inverno.

Além disso, hospitais e outros centros de aplicação ainda estão aprendendo a armazenar as vacinas em temperaturas muito baixas e aplicá-las da maneira correta, acrescentou Perna, segundo o jornal americano “The New York Times”. Tanto a vacina da Pfizer como a da Moderna usam a tecnologia de mRNA (veja vídeo abaixo) para induzir a resposta imune do corpo. Ambas precisam ser mantidas em temperaturas muito baixas: a da Moderna, a -20ºC, e a da Pfizer, a -70ºC. O fator é apontado como um problema por especialistas. Por último, o general apontou que muitos estados estão reservando doses para serem dadas em locais de longa permanência, como casas de repouso – um processo que deve durar meses. Tanto Slaoui como Perna esperam que o ritmo de aplicação aumente quando as farmácias começarem a aplicar as vacina

Fonte: Brazilian Press

Comentários Facebook