Mortes: Morou em castelo na Alemanha e chorou no 7 a 1

Meticuloso como convém ao estereótipo do alemão, Max se agoniava caso, dadas seis da tarde, não houvesse cerveja para tomar. Nos seus aniversários, anotava os nomes daqueles que telefonavam para dar os parabéns e, ano após ano, comparava as listas para ver quem estava em dia com a etiqueta.
Leia mais (01/16/2018 – 00h00)