Professor que abusou sexualmente de alunas pede castração

Mark Lua Professor que abusou sexualmente de alunas pede castração
“Estou disposto a sofrer castração física para assim poder ficar em casa e criar minha filha”, disse Mark Lua, condenado por ter abusado sexualmente de várias alunas

Mark Lua, de 32 anos, foi condenado a 12 anos de prisão e 15 anos de liberdade condicional 

Um ex-professor da Flórida que se declarou culpado de abusar sexualmente de alunas pediu a um juiz que o castrasse como punição, mas foi condenado a 12 anos de prisão. O réu Mark Lua, de 32 anos, fez o pedido de remover seus testículos para evitar cumprir a pena durante a audiência no tribunal de Pensacola (FL), na quarta-feira (20), informou o Pensacola News Journal.

“Minhas ações foram desprezíveis”, disse Lua ao juiz do 1º Circuito, Thomas Dannheisser. “Acredito que a punição é necessária e estou solicitando a castração química não apenas como punição, mas como um ato de solidariedade para mostrar o quanto sinto muito por tudo”.

Ele acrescentou: “Estou disposto a sofrer castração física para assim poder ficar em casa e criar minha filha”.

Mas o juiz ignorou seu pedido antes de proferir a sentença, além de 15 anos de liberdade condicional. Lua, ex-professor de inglês da Booker T. Washington High School, em Pensacola (FL), fez sexo com uma aluna menor de idade e abusou sexualmente uma ex-aluna de 18 anos, segundo os promotores públicos. Ele também foi acusado de coagir uma terceira aluna a enviar-lhe um vídeo sexualmente explícito.

No ano passado, ele se declarou culpado de atividade sexual ilegal com menor de idade e de aliciamento sexual de uma criança. Na quarta-feira (20), a Promotora Erin Ambrose disse ao juiz que o réu atacava meninas vulneráveis.

“Ele parecia procurar meninas que vinham de lares instáveis ou problemáticas”, disse ela. “Ele as manipulou e as traiu porque era professor”.

Durante a audiência de sentença, Lua também alegou sofrer do distúrbio genético neurofibromatose, que causa tumores. Ele disse que muitas vezes teve ataques de pânico durante o período dos abusos sexuais.

“Se estou com minha família ou quando posso me sentar e ler um livro, penso nos tumores e, então, imagino: ‘Oh meu Deus, este pode ser meu último dia na Terra’”, disse Lua.

Entretanto, Ambrose ignorou o pedido dele de clemência. “Essa condição física não pareceu debilitá-lo enquanto ele passeava pelos corredores, procurando estudantes para fazer sexo”, disse ela.

Fonte: Brazilian Voice

Comentários Facebook