“Eu fui mexer com os poderosos e estou aqui”, diz Joesley em depoimento

O empresário Joesley Batista, um dos donos da JBS, disse nesta sexta-feira (15),durante audiência de custódia na Justiça Federal em São Paulo, que, por ter denunciado “poderosos”, acabou na prisão.

— Eu fui mexer com os poderosos, com os donos do poder, e estou aqui —afirmou Joesley ao juiz João Batista Gonçalves, da 6ª Vara Criminal Federal, segundo reportagem da Globo News .

O magistrado decretou a prisão preventiva do empresário por suposto uso de informações privilegiadas da delação premiada no mercado financeiro, com o intuito de auferir lucros milionários.

Joesley Batista é conduzido a São Paulo para prestar depoimento Núcleo duro de Temer: quem são os denunciados Além de Temer, Janot denuncia Joesley e Saud por obstrução da Justiça

O empresário não apontou os nomes dos “poderosos” que denunciou, mas se referia ao presidente Michel Temer (PMDB) e ao senador Aécio Neves (PSDB), a quem teria destinado valores em propinas.

Joesley foi preso domingo (10), em outra frente de investigação, por suposta violação ao acordo de delação que firmou com a Procuradoria-Geral da República (PGR). Inicialmente, o empresário tinha contra si mandado de prisão temporária, por cinco dias.

Na quinta-feira (14), o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), converteu em preventiva o regime de prisão imposto ao delator, acolhendo pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

Na quarta (13), o juiz João Batista Gonçalves ordenou a prisão preventiva de Joesley e de seu irmão Wesley, também executivo do Grupo J&F, na Operação Acerto de Contas — desdobramento da Tendão de Aquiles —, que investiga o uso de informações privilegiadas no mercado.

Na audiência de custódia, quando o juiz o informou sobre a ordem de prisão, Joesley disse que Janot praticou um “ato de covardia”.

— Depois de todas as informações que passamos.