Mais covas são encontradas em escola-reformatório para meninos na Flórida

55 covas foram encontradas em 2013 perto da escola. Foto: CNN.

Uma empresa que faz a limpeza no terreno em uma antiga escola-reformatório da Flórida encontrou mais covas que provavelmente são de cerca de 100 meninos que sofreram abusos e foram assassinados no século passado.

Segundo o Tampa Bay Times, relatórios da empresa Geosyntec confirmaram ao Departamento de Proteção Ambiental da Flórida que um radar de penetração no solo encontrou 27 “anomalias” que poderiam ser covas sem marcação perto da G. Escola Dozier Arthur for Boys – uma espécie de reformatório para meninos fundado no século XX e que funcionou até 2011.

Permanentemente fechada desde 2011, depois que o Departamento de Justiça confirmou que os estudantes foram vítimas de abuso, agora, o número de enterros no campus da escola somam pelo menos 82.

A escola fica na cidade de Marianna, em Florida Panhandle, a cerca de 96 quilômetros a oeste de Tallahassee. Nela, os meninos foram vítimas da brutalidade, abuso sexual e até morte, diz o jornal.

Em 2013, pesquisadores da Universidade do Sul da Flórida documentaram 55 sepulturas perto da escola, embora eles estimam que cerca de 100 meninos morreram entre 1900 e 1973 na escola.

Não se sabe quantos meninos – a maioria deles afro-americanos – morreram ou desapareceram da escola. Mas a exumação de 2013 foi bem acima do número de enterros relatados em registros oficiais. O Senado da Flórida desculpou-se formalmente às vítimas da escola em abril de 2017.

O governador Ron DeSantis pediu aos funcionários que trabalhassem com a polícia do condado de Jackson sobre como abordar as novas descobertas, e mais testes são necessários para determinar se as covas estão, de fato, sem identificação séria. O município planeja desenvolver um centro industrial no local, bem como um centro de treinamento para pessoas com autismo.

O reformatório Arthur G. Dozier, também conhecido como Florida School for Boys. Foto: CNN.

Reformatório Arthur G. Dozier

O reformatório Arthur G. Dozier, também conhecido como Florida School for Boys, era destinado a recuperar e reeducar jovens infratores do estado da Flórida, mas teve inúmeras denúncias de maus tratos e abusos cometidos contra os internos.

Fundada em 1º de Janeiro de 1900 na cidade de Marianna, próxima a Tallahassee, essa instituição foi por um longo período de tempo o maior reformatório juvenil dos EUA. Em 1955 foi fundado um segundo campus na cidade de Okeechobee. O centro de recuperação juvenil

Dozier era dividido em dois segmentos, o lado sul (número 1) e o lado norte (número 2). No sul ficavam os jovens brancos e no norte os jovens negros. A segregação durou até o ano de 1968.

As últimas descobertas só contribuem para confirmar relatos de pessoas que estiveram na escola e viveram nela por um tempo, como Jerry Cooper, que foi interno da escola de 1960-61 e hoje é presidente da White House Boys – grupo de defesa formado por homens que foram vítimas da Arthur G. Dozier.

Surpreende-me o que eles localizaram? “, Perguntou Cooper. “Não. Eu sempre disse que isso não é todos os corpos. Eu experimentei esse lugar. Eu sei o que aconteceu lá. É muito pior do que as pessoas sabem. Eu recebi 135 chicotadas às 2 da manhã e quase morri pelo espancamento”, disse. Com informações da CNN e Tampa Bay Times.

O post Mais covas são encontradas em escola-reformatório para meninos na Flórida apareceu primeiro em .

Fonte: Gazeta News

Comentários Facebook