Repleto de obras de arte e luxo, mercado mais chique de Moscou fecha após 120 anos

Mulher usando máscara protetora empurra um carrinho de compras na Loja Yeliseyevsky no centro de Moscou, Rússia, 2 de abril de 2021

Crédito, Reuters

Legenda da foto,

Cercada por lustres de cristal, porcelanas, colunas de mármore e pinturas a óleo, loja foi inaugurada em 1901 e completou seu 120º aniversário 5 de fevereiro de 2021

O icônico Empório Yeliseyevsky, misto de padaria e mercadinho de luxo situado em um palácio no centro de Moscou, está fechando suas portas após 120 anos.

O glamoroso espaço na rua Tverskaya, uma das mais movimentadas da capital, foi inaugurado em 1901, ainda na Rússia Imperial.

Suas portas continuaram abertas durante a revolução socialista e o lugar se manteve funcionando confortavelmente durante a ascensão e após a queda da União Soviética.

No final das contas, no entanto, foi a pandemia da covid-19, junto a uma complicada disputa legal sobre a venda do prédio, que resultou na queda da bela Yeliseyevsky.

Crédito, Getty Images

Legenda da foto,

Fachada da loja, localizada em uma das ruas mais movimentadas de Moscou

Apesar do passado movimentado e vibrante, o prédio agora estava praticamente vazio, tanto de clientes quanto de estoque.

Gleb Prostakov, porta-voz da Yeliseyevsky, disse à imprensa local que a loja estava fechando devido a questões legais.

Crédito, Reuters

Legenda da foto,

Lugar foi inaugurado em 1901, em uma mansão que pertencia à princesa Zinaida Volkonskaya

De 2005 a 2015, o prédio foi propriedade da cidade de Moscou e era administrado pela rede de supermercados Aliye Parusa.

O jornal Moscow Times relata que, em 2015, a cidade concordou em vender o prédio para a rede, mas o contrato para essa transação ainda está no limbo.

Crédito, Getty Images

Legenda da foto,

O lugar sobreviveu à revolução e à ascensão e queda da União Soviética

A rede Aliye Parusa fechou todas as suas lojas em 2019, mantendo apenas o empório Yeliseyevsky aberto.

Embora a própria empresa não tenha dado mais detalhes, analistas especularam que a pandemia e a queda no turismo tenham afetado fortemente o setor de alimentação.

Crédito, Getty Images

Legenda da foto,

Na era soviética, o espaço ficou conhecido como lugar para comprar itens de outra forma inacessíveis, como caviar

Antes de se tornar mercado, o prédio era uma mansão pertencente à princesa Zinaida Volkonskaya. No século 19, a princesa costumava receber músicos, artistas e poetas famosos no local – incluindo o importante poeta romântico Alexander Pushkin.

O lugar foi transformado em um armazém pela família de comerciantes Yeliseyev, que fez fortuna importando vinhos e frutas para a Rússia imperial.

Crédito, AFP

Legenda da foto,

A loja também montava vitrines luxuosas para o Natal e o Ano Novo – nesta foto, vistas em dezembro de 2012

Após a revolução russa, em 1917, o empório foi nacionalizado.

Ao longo do século 20, durante a era soviética, o empório ficou conhecido como o lugar onde se podiam comprar iguarias raras e quase impossíveis de se obter, incluindo caviar.

Crédito, Getty Images

Legenda da foto,

A loja, retratada aqui em 1998, ainda era movimentada e tinha prateleiras cheias

Crédito, Getty Images

Legenda da foto,

A loja ainda prosperava na década de 1990, retratada aqui. No entanto, mais recentemente, as prateleiras estavam frequentemente vazias

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Fonte: BBC

Comentários Facebook