Produtor da série “Narcos” é morto no México

Um assistente de produção mexicano que colaborava com a série do Netflix “Narcos” foi encontrado morto no Estado do México, uma das localidades mais afetadas pela violência, informaram a empresa e pessoas próximas da vítima.

“Estamos cientes do falecimento de Carlos Muñoz Portal, um respeitado gerente de locação, e oferecemos nossas condolências aos seus parentes”, declarou Netflix em um comunicado divulgado na sexta-feira.

“Os fatos ainda são desconhecidos, já que as autoridades continuam investigando o que aconteceu”, acrescentou.

O Instituto Mexicano de Cinematografia (IMCINE) também lamentou a morte de Muñoz, de 37 anos, que trabalhou selecionando locações para filmes como “007 Specter”, do diretor Sam Mendes, o quarto filme de “Velozes e Furiosos” e “Sicario”, de Denis Villeneuve, entre outros.

A imprensa local informou que Muñoz foi assassinado na segunda-feira passada em uma área rural e pouco povoada do Estado do México, segundo no ranking de assassinatos no país até agora este ano, com 1.174 crimes até julho, de acordo com números oficiais.

O produtor saiu de carro para tirar algumas fotos para a produção de “Narcos”, mas seu corpo foi encontrado horas depois no carro com vários tiros, de acordo com o testemunho de um amigo ao jornal espanhol El País.

Contactada pela AFP, a Procuradoria mexicana não foi capaz de fornecer informações sobre as circunstâncias do crime ou se uma investigação está em andamento.

A série “Narcos”, com três temporadas disponíveis no Netflix, narra a história da ascensão e queda de alguns dos maiores narcotraficantes desde o início da década de 1980 na América Latina.

Seguindo este curso narrativo, espera-se que a quarta temporada se desdobre no México, algo antecipado em alguns capítulos da terceira temporada.

* AFP