Haiti: após morte e prisão de suspeitos de matar presidente, polícia busca mentores de atentado

População nas ruas de Porto Príncipe

Crédito, Reuters

Legenda da foto,

Após assassinato do presidente, população do Haiti saiu às ruas para protestar

A polícia do Haiti matou quatro homens armados e prendeu outros seis suspeitos de participação no assassinato do presidente do país, Jovenel Moïse, ocorrido na quarta-feira (7/7). Mas a corporação afirma que ainda está procurando os mentores do crime.

Entre os seis detidos, diz a polícia, há um cidadão americano.

Nas ruas, a população foi instada a manter a calma depois de episódios de vandalismo, com carros incendiados. Isso aconteceu após um grupo de pessoas deter dois “estrangeiros”, posteriormente entregues à polícia.

O primeiro-ministro interino, Claude Joseph, disse à BBC que Moïse pode ter sido morto “porque estava lutando contra oligarcas no Haiti”.

O presidente foi assassinado a tiros em sua casa. Sua esposa, Martine, ficou gravemente ferida e foi levada de avião para a Flórida, nos Estados Unidos, para tratamento hospitalar.

Joseph disse à BBC que “mercenários estrangeiros” realizaram o ataque. Os primeiros relatórios afirmavam que os agressores falavam inglês e espanhol — as línguas oficiais do Haiti são o francês e o crioulo.

Joseph disse que Moïse vinha lutando contra alguns oligarcas haitianos. “Não sabemos se existe uma ligação entre esses oligarcas e os mercenários estrangeiros”, afirmou.

Moïse, de 53 anos, era profundamente impopular entre muitos haitianos e tinha diversos oponentes políticos. A empobrecida nação também foi atormentada por guerras entre gangues.

Em uma coletiva de imprensa na tarde de quinta-feira (8/7), o chefe de polícia Léon Charles confirmou que seis suspeitos foram detidos, acrescentando: “Temos os agressores em mãos e estamos procurando os mandantes”.

Ele disse que a polícia “bloqueou os suspeitos quando eles saíram da cena do crime”. Quatro deles foram mortos.

Embora as ruas tenham permanecido razoavelmente calmas logo após o assassinato, a suspeita de envolvimento de estrangeiros aumentou a raiva entre a população.

Charles pediu que as pessoas mantenham a calma e cooperem com a polícia. A declaração foi dada depois que uma multidão se reuniu em frente a uma delegacia na capital, Porto Príncipe, onde suspeitos estavam detidos.

Depois, dezenas de haitianos apreenderam dois homens suspeitos de estarem envolvidos no crime. Imagens de vídeo mostraram a dupla, que parecia ter sofrido ferimentos, sendo levada por policiais armados em uma caminhonete.

O cidadão americano preso era descendente de haitianos, disse o ministro das Eleições, Mathias Pierre.

O Departamento de Estado dos Estados Unidos disse não poder confirmar se um cidadão americano foi detido no Haiti.

Crédito, EPA

Legenda da foto,

Jovenel Moïse foi morto durante ataque à sua residência em Porto Príncipe

Quem está no controle do país?

A constituição haitiana diz que o presidente da Suprema Corte deve assumir no caso de uma vacância presidencial, mas essa autoridade morreu recentemente, vítima da covid-19.

Depois disso, as emendas sugerem que o primeiro-ministro deve liderar o país. Ariel Henry foi nomeado na segunda-feira, dois dias antes do crime, como o novo primeiro-ministro, mas ainda não foi empossado.

Ele insiste que deve ficar no comando do país. “É uma situação excepcional. Há um pouco de confusão. Eu sou o primeiro-ministro no cargo”, disse Henry à agência de notícias AP.

Já Claude Joseph, que ocupa o cargo interinamente, disse à BBC que ficou “intrigado” com a declaração de Henry.

Na quinta-feira, a Organização das Nações Unidas (ONU) deu uma declaração favorável à permanência de Joseph no cargo, de maneira interina.

A enviada especial da ONU para o Haiti, Helen La Lime, disse que ele deve permanecer no cargo até que novas eleições possam ser realizadas ainda neste ano.

Já os Estados Unidos disseram novamente na quinta-feira que as eleições deveriam ocorrer neste ano, com o porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki, afirmando que o novo pleito “facilitaria uma transferência pacífica de poder”.

Joseph disse que não se candidataria à Presidência. “Não estou aqui para ficar muito tempo. Precisamos realizar eleições. Não tenho uma agenda pessoal”, afirmou.

Como o ataque se desenrolou?

Crédito, EPA

Legenda da foto,

Vários carros foram incendiados nas ruas de Porto Príncipe após o assassinato

Assassinos fortemente armados invadiram a casa do presidente, localizada em uma área alta de Porto Príncipe, por volta da 1h da madrugada de quarta-feira.

O vídeo divulgado após o tiroteio mostra homens fortemente armados, vestidos de preto, fingindo ser agentes de combate às drogas dos Estados Unidos. Eles gritavam: “Operações da DEA [departamento de drogas dos EUA], todos fiquem abaixados.”

Moïse foi morto no local. O corpo do presidente teve 12 ferimentos a bala, disse o magistrado Carl Henry Destin ao jornal Le Nouvelliste.

O escritório e o quarto do presidente foram saqueados, e ele foi encontrado deitado de costas, coberto de sangue.

Os três filhos do primeiro casal, Jomarlie, Jovenel Jr. e Joverlein, estão em um “local seguro”, disseram as autoridades.

Mesmo antes do assassinato do presidente Moïse, a situação no Haiti era marcada pela instabilidade: protestos nas ruas pediam a renúncia do mandatário.

As eleições parlamentares deveriam ter sido realizadas em outubro de 2019, mas disputas políticas atrasaram o pleito, o que significa que Moïse estava governando por decreto.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Fonte: BBC

Comentários Facebook