Declaração de independência catalã gera caos entre aliados e opositores

11/10/201702h00A sessão no Parlamento catalão onde (a qual, para ter validade jurídica, deveria ser votada em plenário) teve dois atos e terminou sem consenso entre analistas, políticos, meios de comunicação e a população em geral.
O presidente da Generalitat, Carles Puigdemont, declarou ambiguamente a independência às 19h39; oito segundos depois, suspendeu seus efeitos para pedir “diálogo”. Aplaudido apenas por seu grupo, Junts Pel Sí, Puigdemont teria desagradado à CUP, partido radical com o qual conseguiu maioria parlamentar e que pedia a proclamação da república catalã imediatamente.Ivan Alvarado/ReutersManifestantes pró-independência assistem à declaração do presidente catalão, Carles PuigdemontA reação das cerca de 30 mil pessoas reunidas nas imediações do Parlamento (segundo dados da Prefeitura de Barcelona) foi instantânea, em uma mensagem da juventude da CUP: “No Passeig de Sant Joan se respira raiva e indignação. Milhares de pessoas feridas para isso? Vocês não têm vergonha, Junts Pel Sí”.
Já a prefeita de Barcelona, Ada Colau, parabenizou o líder catalão pela disposição ao “diálogo” e à “mediação”.
Entretanto, terminada a sessão, Junts Pel Sí, CUP e membros do governo de Puigdemont assinaram, a portas fechadas, documento com os termos da declaração sem menção a qualquer suspensão.

Fonte: Folha de S.Paulo