Coronavírus: por que apostar na imunidade de rebanho natural contra a covid é uma péssima ideia

  • Sara Lumbreras e Mario Castro Ponce
  • The Conversation*

Para conter a pandemia, é necessária apenas uma coisa: que durante o intervalo de tempo em que uma pessoa infectada pode transmitir a doença a outras pessoas, ela não o faça. Em teoria, essa medida é simples; mas no mundo real, é extremamente complexa de ser implementada.

Como alcançar este objetivo tão simples e ao mesmo tempo tão difícil? De muitas maneiras. Por exemplo, limitar os contatos entre as pessoas, como fizemos durante os confinamentos ou quarentenas. Também podemos reduzir a probabilidade de contágio nas interações existentes, por meio de máscaras e distanciamento físico entre as pessoas. Uma terceira via é a imunização, por vacinação ou pela chamada imunidade de grupo natural.

A imunidade de grupo é baseada na ideia (puramente estatística) de que, quando um número suficientemente elevado de pessoas supera uma doença, sua transmissão é interrompida. Isso ocorre porque cada paciente infectado encontra um número menor de pessoas suscetíveis de serem infectadas (porque muitas já estão imunes).

Essa estratégia é viável? Pode ser implementada regionalmente, nacionalmente ou mesmo globalmente?

A ideia não é nova. Desde o início da pandemia, alguns países se opõem a medidas para conter o contágio. Depois, o colapso da saúde da primeira onda fez com que eles mudassem de ideia.

Nas últimas semanas, porém, parece que a memória está começando a vacilar. Provavelmente por causa da ameaça de uma crise econômica devastadora, a hipótese da imunidade de grupo deliberada renasceu das cinzas.

Um grupo de especialistas, minoritário na comunidade acadêmica, publicou a Declaração do Grande Barrington em 4 de outubro, na qual rejeitam as medidas de confinamento e distanciamento por causa de suas consequências sociais e econômicas. Eles argumentam que a maior parte do mundo deveria “viver normalmente” até atingir a imunidade de grupo naturalmente.

Legenda da foto,

Para signatários da Declaração de Great Barrington, foco das medidas de proteção devem estar na população vulnerável, e não geral

E a fração da população mais vulnerável à doença deveria, segundo eles, se isolar durante esse período. Eles apelidaram essa estratégia de “proteção direcionada”.

Outro grupo de especialistas respondeu rapidamente ao documento publicando o Manifesto de John Snow, que leva o nome daquele que é considerado o pai da epidemiologia moderna. Para esses estudiosos, a busca deliberada pela imunidade de grupo natural é uma péssima ideia.

Os motivos são:

– Morreriam milhões de pessoas

A letalidade do vírus Sars-CoV-2, que causa a covid-19, ainda não foi determinada com certeza pela ciência, além da influência de variáveis como momento da pandemia e idade da população nos cálculos.

Além disso, o colapso sanitário por causa da alta porcentagem de doentes que demandariam internações hospitalares significaria que não sofreriam apenas os pacientes de covid-19, mas também de outras doenças que não poderiam receber a atenção devida.

Essa situação teria profundas consequências sociais e econômicas. Mesmo sem apelar para a imunidade de grupo, a mortalidade colateral por covid teria dimensões inaceitáveis.

Como se isso não bastasse, teríamos outro problema.

– Não sabemos se atingiríamos imunidade de grupo porque não temos clareza sobre como funciona a imunidade individual

No entanto, ainda não sabemos como funciona a imunidade ou quanto tempo ela dura. Os anticorpos, que são a parte da resposta imune que mais estudamos, decaem após alguns meses, especialmente nos casos de infecções leves. Mas não sabemos o impacto disso na capacidade de defesa como um todo do corpo.

Além disso, sabemos que reinfecções são possíveis, o que pode ser um obstáculo intransponível para a obtenção de uma imunidade coletiva.

– A proteção direcionada não é apenas eticamente discutível: também apresenta dificuldades técnicas

É extremamente difícil isolar efetivamente os idosos e os grupos vulneráveis ​​(eles não poderiam receber visitas e seriam condenados a viver na solidão? O que acontece com os funcionários dos asilos? Será que os isolaríamos também?).

Legenda da foto,

O coronavírus tem um efeito mais negativo em indivíduos que sofrem de certas doenças que podem ser evitadas

Além disso, não é tão fácil definir a população vulnerável: muitos jovens, aparentemente sem patologias anteriores, sofreram casos graves de covid-19, e não temos como identificar essa população em risco: pode ser qualquer um.

De fato, levando em consideração os dados de mortes em excesso (o número de pessoas que morreu neste ano a mais do que a média histórica de anos anteriores), durante a primeira onda do novo coronavírus, 25% das mortes em excesso envolviam pessoas com menos de 65 anos.

– As estimativas de imunidade de grupo são baseadas em modelos matemáticos questionáveis

Normalmente, a imunidade de rebanho é calculada como (1-1 / R₀) x 100), onde R₀ é outro conceito que entrou em nossas vidas durante a pandemia: o chamado número reprodutivo básico (ou taxa de contágio, que é a quantidade de pessoas que podem contrair a doença a partir de alguém infectado).

Mas essas estimativas são baseadas em modelos simplificados que não apenas não permitem previsões precisas, como também ignoram o papel dos superespalhadores.

De tal forma que nem temos garantias de que, se 80% estiverem infectados, a epidemia vai parar e não vai afetar os 20% restantes.

Se esses pontos são tão claros, por que o apoio à estratégia de imunidade de grupo está ressurgindo?

Na maioria dos países, as pessoas vivem em um estado de restrição contínua ou à sombra de um novo confinamento em massa. Essa ameaça aumenta a impressão de que todo o esforço realizado nos meses anteriores foi em vão, além da angústia com empregos perdidos ou sob risco.

O desejo de recuperar a normalidade também é alimentado por uma economia prejudicada que impõe uma pressão crescente para buscar soluções alternativas.

Legenda da foto,

Qual é a melhor estratégia para lidar com a pandemia a curto, médio e longo prazo?

No entanto, as consequências de deixar a pandemia evoluir de forma incontrolável seriam muito mais devastadoras que o efeito dessas medidas. Precisamos criar estratégias racionais que protejam tanto a saúde pública quanto a economia e o nosso estilo de vida.

Isso só pode ser feito através de um debate ético sobre a responsabilidade individual, um clima de convivência e comunidade, uma total transparência dos dados sobre a evolução da pandemia e os motivos que fundamentam as decisões tomadas pelas autoridades.

Resumindo: dados, ciência e prudência. Devemos selecionar as medidas que melhor atendem aos nossos objetivos, mas não adotar nenhuma seria a pior ideia de todas.

*Sara Lumbreras é professora e pesquisadora do Instituto de Pesquisa Tecnológica da Universidade Pontíficia Comillas e Mario Castro Ponce é professor e pesquisador da Escola Técnica Superior de Engenharia (Icai) da Universidade Pontíficia Comillas.

Esse artigo foi publicado originalmente no site The Conversation e é publicada aqui sob uma licença Creative Commons.

Leia a versão original, em espanhol, clicando aqui.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Fonte: BBC

Comentários Facebook