Com Macron, França pode superar roteiro direita x esquerda

06/05/201702h00Diante da quase inevitabilidade de sua vitória no segundo turno deste domingo (7), já é objeto de intensas suposições sobre o primeiro-ministro que escolherá e sobre sua base de apoio entre os 577 deputados da Assembleia Nacional.
Tudo dependerá da eleição legislativa, convocada para 11 e 18 de junho. Mas já é previsível que o triunfo de Macron vá gerar uma arrumação radical na política francesa.Regis Duvignau/ReutersO candidato centrista Emmanuel Macron participa de visita a hotel em Rodez, na França, nesta sextaA maior novidade é a aparição de uma força sólida no centro do tablado partidário, quebrando a polarização entre esquerda e direita, que, com a Quinta República (1958), provocou um rodízio no poder entre os dois blocos.
Em fevereiro, quando eram pequenas as chances de ele disputar o turno final com —o favorito era o conservador , abatido em voo pelo de deputado—, Macron publicou um documento em que anunciava a transformação em partido de seu movimento quixotesco, o “Em Frente!”.Editoria de Arte/FolhapressDe recente centrista a política francesa conheceu um único lobo solitário, que inspirava simpatias, por não incomodar ninguém, e até certa comiseração ideológica.

Fonte: Folha de S.Paulo