A Organização das Nações Unidas (ONU) disse nesta terça-feira (14) estar alarmada com os relatos contínuos de assassinatos extrajudiciais em todo o Afeganistão, incluindo enforcamentos, decapitações e exibições públicas de cadáveres.

“Entre agosto e novembro, recebemos alegações verossímeis de mais de 100 assassinatos de ex-forças de segurança nacional afegãs e outras pessoas associadas ao antigo governo, com pelo menos 72 dessas mortes atribuídas ao Talibã”, disse Nada Al-Nashif, comissário de direitos humanos da ONU, ao Conselho de Direitos Humanos, em Genebra.

O Talibã rebateu as conclusões da ONU, dizendo que “não havia provas” das acusações. O grupo anunciou uma anistia geral em 15 de agosto e insistiu que ninguém foi prejudicado depois disso.

O vice-porta-voz do país, Bilal Karimi, disse à CNN que eles não puniram ninguém que havia trabalhado com o governo anterior nem com o ISIS sem uma decisão judicial.

“Todos os funcionários do antigo governo estão vivendo normalmente no Afeganistão, ninguém os machuca”, disse ele, acrescentando que as pessoas apenas “são mortas quando estão em lutas diretas com o Emirado Islâmico”.

A CNN não conseguiu mais informações sobre as descobertas da ONU.

Em seu discurso em Genebra, Al-Nashif também alertou que uma profunda crise humanitária ameaça os direitos humanos básicos no Afeganistão.

Ela destacou a reversão dos direitos das mulheres, dizendo que várias defensoras dos direitos das mulheres foram ameaçadas desde a aquisição do Talibã.

Tanto Al-Nashif quanto o conselho da ONU disseram estar “profundamente afetados pelo aumento de relatos que recebemos de mulheres vítimas de violência que não podem buscar segurança e justiça.”

“Os abrigos de proteção à mulher no Afeganistão foram fechados e a maioria dos incidentes de violência e práticas nocivas contra mulheres e meninas não serão relatados ou serão resolvidos por meio de mecanismos tradicionais de resolução de disputas”, acrescentou Al-Nashif.

Ela também disse que desde agosto, “pelo menos oito ativistas da sociedade civil e dois jornalistas foram mortos, com outros feridos em ataques de homens armados não identificados”.

No mês passado, um relatório divulgado pela Human Rights Watch (HRW) alegou que o Talibã executou dezenas de membros das forças de segurança afegãs depois que eles se renderam após a tomada de poder em agosto. O país também contestou esse relatório.

(Texto traduzido. Confira o original aqui)

Fonte: CNN Brasil