Eleições francesas provocam clima de nervosismo na Europa

Líderes europeus acompanham apreensivos as eleições francesas.
O grande projeto da União Europeia vive o seu maior risco desde a assinatura do tratado de Roma, há 60 anos.
A Comunidade Econômica Europeia foi criada com palavras que evocavam paz, prosperidade, união.
Agora, depois do adeus do Reino Unido, a França volta a mostrar a profunda desilusão na classe política.
O presidente do Parlamento Europeu disse nesta sexta-feira (5) que a ascensão de partidos populistas é o resultado da falta de esperança.
“É um grito de dor, declarou Antonio Tajani.
Os dois candidatos franceses representam visões contrastantes da Europa.
Marine Le Pen pode se tornar a primeira governante europeia de extrema-direita desde a Segunda Guerra Mundial.
Ela quer tirar a França do bloco e controlar as fronteiras. Uma batalha perdida para os imigrantes.
Ex-ministro das Finanças, Emmanuel Macron quer relançar a União Europeia e reforçar o euro. 
A primeira-ministra da Alemanha, Angela Merkel, considera a relação com a França fundamental, e declarou nesta sexta que torce pela vitória de Macron.
O presidente da Comissão Europeia, Jean Claude Juncker, discursou em francês numa conferência sobre o futuro da Europa e afirmou que a língua inglesa está perdendo importância no continente.
O nervosismo é geral. As eleições francesas atingem diretamente os 500 milhões de europeus do bloco. Outro temor é o de que terroristas do Estado Islâmico aproveitem uma vitória de Marine Le Pen para radicalizar jovens muçulmanos e provocar guerrilhas urbanas.

Fonte: G1