Gangue de brasileiros tinha laços com a criminalidade no Brasil

Foto21 Marcio Costa Gangue de brasileiros tinha laços com a criminalidade no Brasil
Marcio Costa, conhecido como “Marcinho” e “Marcin”, de 28 anos, morador em Malden, é o suposto líder do PCM
Foto21 Igor M. Costa Gangue de brasileiros tinha laços com a criminalidade no Brasil
Igor Costa, de 20 anos, morador em Framingham, foi detido e acusado de conspirar para cometer roubo

Os brasileiros presos faziam parte da gangue Primeiro Comando de Massachusetts (PCM)

Os 10 brasileiros presos durante uma operação especial em Massachusetts semana passada tinham ligações com o crime organizado no Brasil. Eles foram detidos tendo como base a lei “Racketeer Influenced and Corrupt Organization Act” (RICO); a qual permite processar organizações criminosas como gangues, máfia e quadrilhas de rua. Os suspeitos faziam parte da gangue Primeiro Comando de Massachusetts (PCM). Ao todo, foram detidas 14 indivíduos.

Os brasileiros presos são: Marcio Costa, conhecido como “Marcinho” e “Marcin”, de 28 anos, morador em Malden, o suposto líder do PCM foi acusado de conspiração RICO, conspirar para cometer roubo, conspirar para distribuir substâncias controladas e envolvimento com armas de fogo sem licença; João Pedro Marques Guimarães Gama, conhecido como “Baiano” e “Baianinho”, de 21 anos, indocumentado e residente em Malden, foi acusado de conspiração RICO, conspirar para cometer assalto, envolvimento em negócio de armas de fogo sem licença e ser um estrangeiro na posse de uma arma de fogo; Breno Henrique da Silva, de 20 anos, residente em Somerville, foi acusado de conspiração RICO, conspirar para cometer roubo e conspirar para distribuir substâncias controladas; Álvaro dos Santos Melo, de 22 anos, residente em Everett, foi preso e acusado de conspiração RICO, conspirar para cometer roubo e conspirar para distribuir substâncias controladas; Edson da Silva, de 19 anos, morador em Whitman, foi preso por acusações de sequestro, posse de armas de fogo, RICO e roubo; Igor Costa, de 20 anos, morador em Framingham, foi detido e acusado federalmente por RICO e conspirar para cometer roubo; Vinicius Gonçalves de Assis, residente em Revere, foi preso e acusado federalmente por conspiração RICO; Rodrigo Tavares, de 19 anos, morador em Stoughton, foi acusado de ser um estrangeiro com posse de uma arma de fogo e envolvimento com armas de fogo sem licença; Rony de Freitas, de 21 anos, morador em Lowell, foi acusado de envolvimento com armas de fogo sem licença; e Fernando de Oliveira, de 24 anos, indocumentado e morador em Brighton, foi acusado de ser um estrangeiro em posse de uma arma de fogo e envolvimento com armas de fogo sem licença. Eles eram membros da gangue Primeiro Comando de Massachusetts (PCM).

Na quinta-feira (25), eles compareceram ao tribunal para ouvir formalmente as acusações de tráfico de drogas e armas de fogo, roubos e sequestros em Massachusetts, informaram as autoridades. Os réus residem em várias cidades quando foram presos, incluindo Boston, Stoughton, Malden, Everett, Somerville, Brighton e Chelsea e anteriormente em Whitman, Framingham e Revere, todas em Massachusetts. Vários deles estão em situação migratória irregular nos EUA, detalhou o promotor público, Andrew Lelling, através de um comunicado.

As autoridades também apreenderam 27 pistolas, 2 espingardas de cano curto, 1 espingarda, 1 rifle e centenas de cartuchos de munição durante a batida policial.

Entre novembro de 2018 e abril de 2019, os réus foram monitorados vendendo armas para pessoas em Somerville, Malden, Lowell e Chelsea. Alguns dos negócios ocorreram no estacionamento de um supermercado e o outro em um estacionamento público. Durante uma venda de armas, um membro da gangue disse a um agente disfarçado que outro membro do PCM é procurado por assassinato no Brasil. Os membros da gangue falaram sobre um ataque em Connecticut, onde eles roubaram um traficante de drogas e mantiveram a filha do homem, com uma arma apontada para a sua cabeça.

As gangues violentas que proliferam a violência são um flagelo em nossas comunidades”, disse Lelling. “Nos últimos meses, membros e associados do Primeiro Comando de Massachusetts têm cometido crimes sérios e violentos: roubando descaradamente o comércio local, traficando drogas, armas de fogo ilegais e até sequestrando uma jovem”.

“Não vamos ficar de braços cruzados e permitir que esses criminosos interrompam a segurança e a paz de nossas comunidades”, acrescentou Lelling. “Que as prisões e acusações de hoje (25) sejam uma mensagem para os membros de gangues e seus associados: Se você ameaçar a segurança e o bem-estar dos residentes de Massachusetts, iremos prendê-lo e processá-lo usando todos os recursos federais à nossa disposição”, acrescentou.

. Penas prováveis:

Caso condenado por extorsão, conspiração e conspiração para cometer roubo, o acusado pode pegar até 20 anos de prisão por cada acusação, 3 anos de liberdade condicional, multas de US$ 250 mil e restituição. Caso condenados por conspiração para distribuir substâncias controladas, os acusados podem pegar até 20 anos de prisão, pelo menos 3 anos de liberdade condicional e multa de US$ 1 milhão. Caso condenado por negociar armas de fogo sem licença, o acusado poderá pegar até 5 anos de prisão, 3 anos de liberdade condicional e multa de US$ 250 mil. Caso condenado por ser um estrangeiro em posse de arma de fogo, o acusado poderá pegar até 10 anos de prisão, 3 anos de liberdade condicional e multa de US$ 250 mil. Caso condenados por distribuir 28 gramas ou mais de pasta de cocaína, os acusados podem ser condenados a pelo menos 5 a até 40 anos de prisão, pelo menos 4 anos de liberdade condicional e multa de US$ 2 milhões. Caso condenado por posse de arma de fogo não registrada, o acusado poderá pegar até 10 anos de prisão, 3 anos de liberdade condicional e multa de US$ 10 mil.

Os réus ilegalmente nos EUA estarão sujeitos a processos de deportação, adiantou Lelling.

Fonte: Brazilian Voice

Comentários Facebook