Conheça os segredos da longevidade, segundo a ciência

Você já deve saber que uma vida longa e próspera depende de fatores genéticos e de um estilo de vida saudável. Mas, além disso, segundo um novo estudo publicado na renomada revista científica  Nature, ter uma boa educação e estar aberto a novas experiências podem ser decisivos no que diz respeito ao aumento da expectativa de vida.

A pesquisa

Pesquisadores da Universidade de Edimburgo, na Escócia, conduziram uma longa pesquisa de meta-análise sobre os genes associados à longevidade. A partir das informações genéticas de mais de 600.000 pessoas, da Europa, Austrália e América do Norte, eles conseguiram quantificar como os genes e diferentes estilos de vida contribuem para aumentar os anos vividos – e os não vividos.

Veja também

SaúdeA receita da longevidade? Aproveitar a vida, diz estudo27 dez 2016 – 17h12

Os cientistas observaram como determinados marcadores genéticos poderiam estar relacionados à expectativa de vida dos pais dos participantes. Como todos compartilhamos a ascendência genética com nossos pais, a equipe de pesquisa conseguiu identificar o impacto de vários genes na longevidade.

“O poder da análise de dados e da genética nos permite comparar o efeito de diferentes comportamentos e doenças em termos de meses e anos de vida perdidos ou adquiridos e distinguir entre mera associação e efeito causal”, disse um dos pesquisadores, Jim Wilson.

Nossas escolhas

É nessa diferenciação que entra o estilo de vida de cada um. Os pesquisadores tiveram que considerar as diferentes escolhas para garantir que fossem independentes dos riscos genéticos. Eles também compararam as pessoas com fatores de risco semelhantes para ver como diferentes comportamentos podem interferir em sua probabilidade de viver mais.

Dessa forma, eles confirmaram que manter a forma, alimentando-se bem e fazendo exercícios regularmente, está positivamente correlacionado à longevidade, assim como ter bons níveis de HDL, o colesterol bom.

Meses a mais, meses a menos

Por outro lado e como já era de se esperar, tabagismo, problemas cardíacos, diabetes e excesso de peso reduzem a probabilidade de ter uma vida longa. Um maço de cigarro por dia, por exemplo, reduziu a expectativa de vida em sete meses. Além disso, cada valor acima do IMC considerado normal, equivale a sete meses a menos de vida.

Os cientistas também identificaram um gene associado ao nível de colesterol ruim no sangue que pode reduzir o tempo de vida em oito meses e um ligado ao sistema imunológico que pode adicionar cerca de seis meses.

Educação

O estudo concluiu ainda que a educação é essencial para o aumento da longevidade – cada ano que você passa em um curso de ensino superior pode adicionar até 11 meses em sua vida. Essa correlação pode estar intimamente associada às desigualdades de expectativa de vida entre países desenvolvidos e subdesenvolvidos.

Veja também

SaúdeAs doenças que ameaçam a longevidade8 dez 2014 – 03h12
SaúdeA receita da longevidade: sete atitudes para viver mais e melhor24 fev 2014 – 10h02

Há tempo para parar de fumar

No entanto, nem tudo é pessimismo. Os fumantes que abandonam o hábito podem alcançar, ao longo do tempo, o mesmo período de vida que os não fumantes. Pessoas com sobrepeso que emagrecem, também podem reduzir seus riscos de morte precoce. Segundo  Peter Joshi, principal autor do estudo, perder peso [um quilograma] pode adicionar até dois meses de vida.

Arquivado em:Saúde

Fonte: Veja.com