Céu e Boogarins mostram os caminhos abertos pelo indie nacional

Festival dedicado à massa, o Rock In Rio, por vezes, abre espaço para o underground. O indie, nesta sexta-feira, 15, foi representado pelo encontro de Céu, uma das melhores cantoras da sua geração, e Boogarins, banda de Goiânia responsável por fazer o mundo prestar atenção na cena de rock psicodélico brasileira.

Já sem fazer o público sofrer com o calor, Céu e Boogarins se aproveitaram para propor uma viagem bem própria. A voz dela, vagarosa, passeia pelas notas como uma tarde de domingo, nas canções próprias ou dos Boogarins.

A banda de Goiânia, por sua vez, entende o ponto de coexistência entre o experimental e o pop. Propõem uma jornada onírica, em formação que alterna baixo e teclados, sempre com duas guitarras entupidas de distorção.

O encontro não é pop no sentido mais puro da expressão, mas é ver ouvidos acostumados ao cancioneiro radiofônico serem desafiados a explorar novidades. As vozes de Fernando Almeida, vocalista do Boogarins, e Céu, se casam e se complementam. Habitam um espaço alto, agudo e sonhador.

Cantaram juntos e separadamente. Céu abriu a performance, diante de um público já numeroso e disposto a cair na dança. Perfume do Invisível, do disco dela, Tropix, adocicou o clima árido em Jacarepaguá, no Rio de Janeiro. Com o Boogarins, o rebolado deu lugar à cadência lenta. Juntos, uniram forças e qualidades, mesmo que, por vezes, o próprio sistema de som não parecesse preparado para aquele tipo de viagem.

E é a densidade de camadas que anuviam, enfeitiçam, vagam por sensações inexploradas no restante do festival.

Fonte: ISTOÉ Independente