Turismo em Minas Gerais tenta reagir às perdas bilionárias provocadas pela pandemia

Distrito de Lavras Novas, em Ouro Preto; ao fundo, a Igreja de Nossa Senhora dos Prazeres — Foto: Alex Araújo/G1

Passados quase 12 meses do início da pandemia da Covid-19 no Brasil, alguns setores da economia ainda tentam se reerguer. É o caso do turismo, em Minas Gerais, que acumulou perdas significativas em 2020 e recebeu um aporte de R$ 500 mil do governo federal em dezembro do ano passado. A proposta é que a verba seja utilizada como estímulo para a retomada das atividades do setor entre fevereiro e abril deste ano.

Um relatório da Confederação Nacional de Comércio, Bens, Serviços e Turismo (CNC), divulgado no dia 13 de janeiro, aponta o prejuízo de R$ 21,65 bilhões na cadeia do turismo mineiro, a terceira maior perda de receita do país. O estado só fica atrás de São Paulo (R$ 94,12 bi) e Rio de Janeiro (R$ 39,7 bi). O cenário é refletido até mesmo pela movimentação em aeroportos mineiros, que foi 57,7% menor em 2020 do que em 2019.

O tamanho da crise acaba refletindo nos postos de trabalho. De acordo com a Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult), o saldo de empregos formais no setor ficou negativo em 2020. O resultado preliminar do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), que ainda não considera o mês de dezembro, traz o fechamento de 37.250 vagas, anteriormente ocupadas. Isso para um setor que ainda luta pela formalização de muitos postos de trabalho, o que pode resultar em um cenário ainda pior.

Belo Horizonte perde mais de 10 mil postos de trabalho, em 2020
Belo Horizonte perde mais de 10 mil postos de trabalho, em 2020

2 min Belo Horizonte perde mais de 10 mil postos de trabalho, em 2020

Belo Horizonte perde mais de 10 mil postos de trabalho, em 2020

O setor de serviços teve o pior saldo de demissões, seguido do comércio. Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, do Ministério da Economia.

Os números levaram à elaboração de um plano de investimentos. Segundo a Secult, a ideia é que as campanhas publicitárias “Minas para Minas” e “Minas para o Brasil” sejam lançadas ainda no início do ano, com veiculação em cadeias de rádio, televisão e internet. É aí que entra a quantia recebida do Ministério da Cultura.

Para o professor Rodrigo Burkowski, do programa de mestrado em Turismo e Patrimônio da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), a retomada do setor se dará de acordo com o tipo de viagem que será incentivada.

“Estudos apontam que as pessoas tendem a viajar de carro, até 250km. Seria uma viagem de final de semana, como sair de BH na sexta e voltar no domingo à noite ou segunda de manhã”, avaliou.

Outra possibilidade, segundo o Burkowski, é a exploração das unidades de conservação. O professor conta que existem parques e reservas em todo o estado, com capacidade ociosa de visitação até mesmo no período anterior à pandemia. “Têm potencial muito grande para a retomada das atividades”, afirmou.

Protocolos de biossegurança

O governo aposta nos protocolos de segurança previstos no programa Minas Consciente para garantir a experiência do turista. A Secult informou sobre a aplicação de 2.315 selos em estabelecimentos que se comprometeram a cumprir com todas as regras de prevenção e combate à Covid-19. Essa pode ser uma saída, mas o professor da UFOP faz um alerta.

“O selo é autodeclaratório. O estabelecimento afirma que vai cumprir os protocolos de segurança, mas não tem canal para registrar denúncia, nem fiscalização, em caso de irregularidade”, ponderou.

Proprietários da pousada Vila de Gaia adaptaram a estrutura para receber hóspedes de acordo com protocolos sanitários — Foto: Arquivo Pessoal

Ana Carolina Medina é proprietária da Pousada Vila de Gaia, no distrito de Lavras Novas, em Ouro Preto, na Região Central do Estado. Ela contou que aderiu aos protocolos desde o início da pandemia. Adaptou o esquema de funcionários, investiu em mecanismos de limpeza mais rígidos e mudou o padrão da cozinha. Tudo para atender às exigências dos protocolos de segurança. Ainda assim, não se viu livre das dificuldades impostas pela pandemia.

“Fiz um investimento alto para a minha pousada, para me adequar, para ter segurança para trabalhar. Aí vem o governo, não ajuda em nada e simplesmente fala que não vamos poder funcionar mais? Acho que é isso o que está acontecendo com bares e restaurantes. Investem, se preparam e aí fecham tudo de novo”, desabafou.

A proprietária não está muito otimista com relação aos próximos meses de trabalho. Com o fim dos benefícios repassados pelo governo e com a baixa demanda no período de janeiro, que sempre foi considerado alta temporada em Lavras Novas, as contas ficaram difíceis de fechar.

“Estou totalmente sem rumo. Não sei o que fazer, porque o governo cortou os incentivos. Desde dezembro, a gente não pode reduzir carga horária de funcionário e tem que cumprir a estabilidade definida pelos meses de redução já realizados. Não tenho uma expectativa para os próximos meses”, afirmou.

Tanto Ana Carolina como Ricardo Burkowski veem na vacinação a possibilidade de melhores resultados para o setor.

“Acho que vacinação é um dos pontos. Mas não vale vacina sem critério, também. Não vai ser vacinado todo mundo de uma vez. A gente ainda vai viver essa realidade de cuidados por um bom tempo”, avaliou a empresária.

Já o professor foi um pouco mais otimista:

“A gente pode chegar aos ganhos de dezembro de 2019 se conseguirmos cumprir metas de vacinação. Eu creio que, se conseguirmos vacinar a população até agosto deste ano, poderemos ter uma recuperação importante”, avaliou.

Os vídeos mais vistos no G1 MG nesta semana:

Fonte: G1

Comentários Facebook