Veja cinco livros para viajar sem sair do lugar

Úrsula Passos, editora-assistente de Cultura e coordenadora do Clube de Leitura Folha, indica cinco obras em que cidades são protagonistas


 


Anjos e Demônios

Dan Brown. ed. Arqueiro, R$ 54,90, 480 págs.



Neste livro, o professor Robert Langdon passa por muitos dos pontos mais tradicionais de Roma, em especial pelas esculturas do século 17 de Bernini. Também fazem parte da lista o Panteão, as pinturas de Caravaggio na igreja Santa Maria del Popolo e as esculturas da Piazza Navona. Pode-se acusar Brown e seus livros de muitas coisas, menos de serem pouco descritivos


A Imperatriz de Ferro

Jung Chang, ed. Companhia das Letras, R$ 72,90, 552 págs.



Este não é um romance, mas, sim, a biografia de Cixi, uma mulher que, no século 19, passou de concubina a imperatriz da China após dar um golpe. Fruto de uma importante pesquisa da autora, o livro parte da Cidade Proibida, em Pequim, para uma viagem por esse país ainda desconhecido para muitos de nós 


O Mestre e Margarida

Mikhail Bulgákov, ed. 34, R$ 69, 408 págs.



É tudo muito surreal nesta obra. Nas páginas, surgem o demônio, fantasmas, um gato de chapéu e um sindicato de escritores. Mas o livro clássico escrito durante o governo de Stálin é um tour por Moscou que inspira até hoje listas na internet do tipo “A Moscou de ‘O Mestre e Margarida’”. Com razão. Do mosteiro Novodevichi aos jardins de Alexandre, ao lado do Kremlin, é uma baita viagem fantástica pela capital russa


Paris É uma Festa

Ernest Hemingway, ed. Bertrand Brasil, R$ 57,90, 252 págs.



Já é um clichê. Apareceu até em filme romântico mamão com açúcar (“Cidade dos Anjos” —o que não faz, diga-se, muito sentido, porque não é lá um livro muito romântico), mas imagine passear por Paris com Ernest Hemingway. Além de escritor de mão cheia, o cara era bem relacionado. Passam pelas páginas e pelas ruas da capital francesa gente como Gertrude Stein, Ezra Pound, Fitzgerald e James Joyce



 


A Primeira História do Mundo

Alberto Mussa, ed. Record, R$ 47,90, 240 págs.



Não basta pegar a ponte aérea para o Rio de Janeiro, pegue também uma máquina do tempo. O autor conta aqui uma história de crime e suspense na capital fluminense recém-povoada por portugueses, no século 16, quando acontece o primeiro assassinato na cidade


Fonte: Folha de S.Paulo

Comentários Facebook