Torre Eiffel volta a receber visitantes após oito meses fechada

A Torre Eiffel voltou a receber turistas nesta sexta-feira (16), depois de oito meses e meio fechada devido às restrições para conter a pandemia de coronavírus. Foi o período de fechamento mais longo desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A reabertura ocorreu ao meio-dia, no horário local. Uma banda deu as boas-vindas aos primeiros visitantes, que se aglomeraram às dezenas na entrada. Por enquanto, a torre, o monumento de acesso pago mais frequentado no mundo no período pré-crise sanitária, com cerca de sete milhões de visitantes por ano, receberá até 13 mil pessoas por dia —antes da pandemia, admitia cerca de 25 mil.

Agora, os elevadores da torre funcionam com 50% da capacidade, e os turistas puderam voltar a subir até o topo da torre para observar a capital francesa a 300 metros de altura. “É um presente estar aqui. Amamos Paris”, disse Ila, que viajou de Hamburgo, na Alemanha, e esperou mais de duas horas com sua filha Helena para ser uma das primeiras pessoas a ir à parte superior do icônico monumento.

Mais de 70 mil ingressos já foram vendidos antecipadamente para visitas até o final de agosto, metade dos quais para franceses. Antes da pandemia, os estrangeiros respondiam por 80% das visitas. Houve ainda um aumento da procura por turistas italianos e espanhóis e, por outro lado, diminuição do interesse de britânicos e asiáticos, devido às restrições de viagem. Turistas dos EUA representam 15% das reservas.

A partir da próxima quarta-feira (21), para visitar locais de lazer, os visitantes deverão apresentar um comprovante de vacinação ou um exame com resultado negativo para coronavírus, de acordo com as exigências recentemente impostas pelo governo francês, dado o aumento das infecções por Covid-19.

“Obviamente, é uma complicação operacional adicional, mas é administrável”, disse Jean François Martins, diretor da empresa que administra a Torre Eiffel, à agência de notícias AFP. A companhia acumula um déficit de 120 milhões de euros (R$ 722 milhões) devido ao tempo em que a atração ficou fechada.

O monumento, que já soma 132 anos, deve passar por uma nova pintura em breve, para compensar o desgaste do tempo —a torre foi construída para a Exposição Universal de 1889, sediada em Paris, que marcou o centenário da Revolução Francesa. À época da mostra, foi lançado um concurso para estudar a possibilidade de erguer uma torre de ferro com 300 metros de altura.

Entre 107 propostas, foi selecionada a liderada pelo engenheiro Gustave Eiffel (1832-1923), que também esteve envolvido no projeto de outro monumento famoso —a Estátua da Liberdade, em Nova York.

Hoje um dos ícones mais queridos da França, o monumento não passaria de uma atração provisória, com desmonte previsto para dali a 20 anos. Sua salvação não se deu pelo turismo, mas por questões práticas: nela podiam ser instaladas antenas, num momento em que a comunicação por ondas de rádio surgia.

Fonte: Folha de S.Paulo

Comentários Facebook