Quatro razões para explicar por que apenas 2 de 155 delatores da Lava Jato são políticos

Direito de imagemAgência Senado.

O ex-senador Delcício do Amaral, que chegou a ser preso no exercício do mandato, foi o primeiro político a assinar delação A lista de delatores da Lava Jato não para de crescer. O Ministério Público Federal (MPF) contabiliza, até agora, 155 nomes, incluindo os dos 78 executivos e ex-executivos da Odebrecht – o número pode aumentar com o acordo prestes a ser fechado com representantes da empreiteira OAS. Entre os delatores, contudo, há apenas dois políticos.

O ex-senador Delcídio do Amaral e o ex-deputado Pedro Correa são os únicos que assinaram acordos para detalhar de operações ilícitas e apontar outros nomes, conforme o MPF no Paraná informou à BBC Brasil. Eles não confirmam a delação do ex-senador Gim Argello, que teria fechado acordo no ano passado.
Há a expectativa de que o ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci seja o próximo político a fechar um acordo. Preso desde setembro de 2016, Palocci já teria se reunido com integrantes da força-tarefa da Lava Jato para definir os termos da delação. E, da prisão, o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha mandou recado dizendo que tem material para “explodir” o mundo empresarial.

Fonte: BBC