Em crise com ruralistas, Kátia Abreu flerta com esquerda e critica ‘reacionários’

Direito de imagemEdilson Rodrigues/ Agência Senado.

Senadora Kátia Abreu se afasta de ruralistas e se aproxima de bandeiras de esquerda Numa tarde de março, uma mulher negra com tranças no cabelo e uma transsexual loira conversavam numa sala que, há poucos anos, era parada obrigatória para homens com chapéus e botas de couro em passagem por Brasília.

A recepção do gabinete da senadora Kátia Abreu (PMDB-TO) – decorada com retratos de africanos em roupas tradicionais e uma foto em que ela aparece abraçada a dois indígenas – tem atraído um público diferente desde que a peemedebista reassumiu seu posto no Congresso, após deixar o cargo de ministra da Agricultura do governo Dilma Rousseff (PT) e se projetar como uma das principais defensoras da ex-presidente no processo de impeachment.
A lealdade de Abreu a Dilma a afastou dos ruralistas, setor que apoiou a queda da petista com entusiasmo e do qual a senadora agora tenta se diferenciar ao defender “um agro moderno, sem posturas reacionárias”. Mas a nova postura também lhe fez ganhar admiradores à esquerda e a expôs a outras bandeiras políticas.

Fonte: BBC