‘Acordão’: as propostas que podem ‘estancar sangria’ da Lava Jato

Direito de imagemAgência Senado.

Congressistas buscam forma de articulação por ‘sobrevivência’ da classe política após lista de Fachin Acuada após a nova leva de revelações da Operação Lava Jato, a classe política, por meio de suas principais lideranças, tenta buscar formas de reduzir o estrago criado pelas delações de executivos da Odebrecht e sobreviver.

É o que tem noticiado a imprensa brasileira, dando margem à especulações sobre um possível “acordão” negociado entre essas lideranças, ao relatar supostos encontros entre o presidente Michel Temer (PMBD) e seus antecessores Luis Inácio Lula da Silva (PT) e Fernando Henrique Cardoso (PSDB).
Temer e FHC negaram veementemente qualquer iniciativa neste sentido.

Mas, para muitos, tal estratégia passaria por mudanças no sistema político que facilitem a manutenção de congressistas no poder (por exemplo a adoção da “lista fechada” para eleição de deputados), a aprovação de uma nova lei com punições contra abusos de juízes, promotores e policiais, e a preservação do foro privilegiado.
Enquanto alguns analistas veem riscos reais de uma articulação desse tipo prosperar, outros não consideram que o Congresso tenha meios de parar a Justiça.

Fonte: BBC