1ª greve geral do país, há 100 anos, foi iniciada por mulheres e durou 30 dias

Direito de imagemArquivo Edgar Leuenroth | Unicamp.

Greve teve início em uma fábrica têxtil em São Paulo, e só depois da adesão de outras categorias passou a ter demandas gerais Em junho de 1917, décadas antes da consolidação das leis trabalhistas no Brasil, cerca de 400 operários – em sua maioria mulheres – da fábrica têxtil Cotonifício Crespi na Mooca, em São Paulo, paralisaram suas atividades.

Eles pediam, entre outras coisas, aumento de salários e redução das jornadas de trabalho, que até então não eram garantidos por lei. Em algumas semanas, a greve se espalharia por diversos setores da economia, por todo o Estado de São Paulo e, em seguida, para o Rio de Janeiro e Porto Alegre. Era a primeira “greve geral” no país.
Mas uma das principais diferenças entre aquela e a greve geral convocada para esta sexta-feira, em protesto contra as reformas trabalhista e da Previdência, é que, em 1917, ela não foi anunciada como tal, disse à BBC Brasil o historiador Claudio Batalha, da Unicamp.

Greve geral: o que você precisa saber sobre a tentativa de parar o país pela 1ª vez em 20 anosReforma trabalhista passa na Câmara: saiba o que pode mudar para os trabalhadores”Não é uma greve que já tivesse bandeiras gerais.

Fonte: BBC