Secretário de Segurança do Rio propõe rediscutir a política criminal

O secretário de Estado de Segurança do Rio de Janeiro, Roberto Sá, afirmou hoje (4) que as medidas pontuais tomadas para tentar conter a violência no estado são paliativas e que é necessário rediscutir a política criminal. Na terça-feira (2), ataques feitos por facções criminosas rivais na Cidade Alta, em Cordovil, zona norte da capital fluminense, terminou com nove ônibus e dois caminhões queimados. Uma operação policial prendeu 45 pessoas e apreendeu 33 fuzis .
“Não dispenso qualquer ajuda, mas penso que medidas pontuais operacionais são um paliativo. Reitero minha fala para manter a coerência com o meu discurso e meus 34 anos de conhecimento da violência no Rio de Janeiro. Nós temos que rediscutir política criminal. Nós apreendemos 33 fuzis em uma ação do crime organizado. É só extrapolar para verificar: quantas favelas têm a presença de crime organizado no Rio de Janeiro historicamente? Quantas facções têm no Rio de Janeiro historicamente, disputando espaços territoriais? Que tipos de armas eles usam nessas ações mais ousadas?”, questionou.
Sá disse também que a iniciativa das unidades de Polícia Pacificadora (UPPs), implantadas a partir de dezembro de 2008, foi “ousada demais”. Para ele, as UPPs deveriam contar com mais recursos, como no caso da Colômbia.

Fonte: Agência Brasil