Bate-papo online discute perspectivas brasileiras para Paralimpíada de Tóquio

Verônica Hipólito exibe medalha de prata obtida na Paralimpíadas do Rio Marcio Rodrigues/MPIX/CPBA contribuição do Bolsa Atleta para a formação de competidores de alto rendimento e as expectativas para os Jogos Paralímpicos de Tóquio, em 2020, foram os principais temas de um bate-papo online, nesta sexta-feira (15) entre o coordenador-geral do programa, Mosiah Rodrigues, o nadador Phelipe Rodrigues e os atletas Verônica Hipólito e Yohansson Nascimento.
No bate-papo, Phelipe ressaltou o quanto é importante o apoio que os atletas recebem. Phelipe, que começou a nadar aos 12 anos por recomendação médica, conquistou sete medalhas (quatro de prata e duas de bronze) em três edições de Jogos Paralímpicos (Pequim, em 2008, Londres, em 2012, e Rio de Janeiro, em 2016).
“Tenho certeza de que, sem o apoio que a gente tem hoje, não teríamos os resultados que tivemos”, disse o nadador, de 27 anos.
Na conversa, Verônica Hipólito lembrou que levar vida de atleta custa caro, por causa do treinamento pesado e da dieta especial para os que almejam chegar à categoria de alto rendimento. “Isso não é barato”, afirmou a atleta, que tem 21 anos, e saiu da última Paralimpíada, no Rio, com duas medalhas, uma de prata e uma de bronze.

Fonte: Agência Brasil