Egito, um destino nada menos do que fascinante

Fazer uma viagem para o Egito é como se transportar no tempo. Presente no imaginário popular – com as imagens das imponentes pirâmides, dos faraós e de Cleópatra –, o país é um destino repleto de preciosidades de uma das civilizações mais brilhantes já existentes. Listar todas as suas joias históricas é quase impossível, tamanha a riqueza de seu passado: por todo o território há lugares e objetos cheios de significado. Para ter uma amostra de toda essa exuberância, elegemos a seguir três sugestões imperdíveis em três das principais cidades egípcias – e, de brinde, uma cidade litorânea lindíssima.

CAIRO

Às margens do Rio Nilo, ao norte, está a capital, Cairo, porta de entrada para o Egito e centro político, econômico e cultural do país. Também o local dos mais icônicos cartões-postais egípcios. O principal, sem dúvida, são as Pirâmides de Gizé, que estão bem próximas à cidade, a cerca de 10 quilômetros do centro. As três pirâmides – Quéops, Quéfren e Miquerinos – fazem parte de um grande complexo, que conta com outro monumento impressionante, a Grande Esfinge. Simplesmente fantástico.

Cairo A Grande Esfinge foi construída em um único bloco de pedra

A Grande Esfinge foi construída em um único bloco de pedra (Memphis Tours/Divulgação)

O Museu Egípcio é também uma das melhores atrações do Cairo. É o principal museu do país, onde é possível conferir a mais prestigiosa coleção de artefatos egípcios, desde o Império do Egito Antigo até o período greco-romano. São mais de 120 000 peças em exposição. Elas incluem as múmias reais de alguns dos faraós mais conhecidos, como Ramsés II, e os objetos encontrados na tumba de Tutancâmon, como sua famosa máscara funerária de ouro, talvez a imagem mais simbólica do Egito após as pirâmides.

A ida ao Cairo não está completa sem passar pelo grandioso Nilo, também protagonista na história do país, sendo fundamental para o desenvolvimento de sua civilização. Com 6 650 quilômetros, é considerado o rio mais extenso do mundo, cortando várias nações africanas. No trecho que cruza a cidade, um dos pontos em que ele pode ser mais bem observado é a partir do bairro de Zamalek. Ali é possível fazer também um passeio de felucca, pequeno e tradicional barco à vela egípcio.

LUXOR

Ao sul, fica a fantástica Luxor, antiga Tebas, capital religiosa do Egito desde 2000 a.C. É lá que o viajante consegue sentir melhor o que realmente foi o Império Egípcio, com seus grandiosos complexos religiosos e mausoléus de faraós, os mais importantes do país.

Uma das principais atrações é o Templo de Karnak, que dá real sentido ao adjetivo “faraônico”. É considerado o maior do mundo, ocupando 2 quilômetros quadrados, e um dos grandes tesouros arquitetônicos da humanidade, que levou 1 500 anos para ser construído, passando de geração a geração de faraós e reinados. O lugar impressiona em diversos sentidos, sobretudo pelas colossais colunas em forma de papiro e a chamada Avenida das Esfinges, com esfinges nas duas margens em direção ao Templo de Luxor. Hoje, Karnak pode ser visitado também à noite, com um espetáculo noturno de luz e som, que torna o lugar ainda mais mágico.

O Templo de Luxor, construído a mando de Ramsés II, é menor que o de Karnak. Mas chama atenção pela diversidade de elementos, já que reúne referências de culturas e épocas distintas – egípcia, greco-romana, islâmica, copta. Por isso, o local é um dos principais motivos por que a cidade de Luxor é chamada de “o maior museu aberto do mundo”. Uma dica é visitar o templo na hora do pôr do sol, quando fica lindamente iluminado em tom dourado, destacando as esculturas em relevo.

Luxor O Templo de Luxor fica ainda mais espetacular no pôr do sol

O Templo de Luxor fica ainda mais espetacular no pôr do sol (Memphis Tours/Divulgação)

Do outro lado do Nilo, está o imperdível Vale dos Reis, um labirinto de túneis escondidos sob as montanhas com 63 tumbas subterrâneas (descobertas até agora). Uma obra bastante demorada e complicada, devido à simplicidade das ferramentas da época. Entre elas, estão as tumbas de faraós como Ramsés II e Tutancâmon. Na deste último, foram encontrados mais de 5 000 objetos (era costume enterrar os faraós com seus pertences). O mais famoso é a máscara mortuária de ouro exposta no Museu Egípcio do Cairo. Tutancâmon governou por pouco tempo e morreu aos 19 anos – então, dá para imaginar as preciosidades que haviam em tumbas dos faraós mais importantes, como Ramsés II, que reinou por quase 40 anos.

Extra: é possível sobrevoar todos esses monumentos de Luxor em um passeio de balão. Inesquecível!

9 motivos ir para o Egito com uma agência de viagens

• Os roteiros são bem planejados para se aproveitar ao máximo cada lugar
• Descomplica todo o processo de pesquisa e escolha de hospedagem
• Facilita a logística, já que o transporte local não leva diretamente a todas as atrações
• Há recepção na chegada ao aeroporto e orientação sobre a retirada de visto
• Já inclui os ingressos dos passeios listados no roteiro
• Fazem parte do pacote todos os traslados terrestres, em veículo privado e com ar-condicionado
• É mais conveniente e seguro ir com quem conhece o local
• Há orientações de como se comportar em um país com costumes tão diferentes dos brasileiros
• Tudo é acompanhado e explicado por guias que falam português

ASWAN

Ainda mais ao sul, está a agradável Aswan, outro importante destino turístico do Egito que mistura história e belas paisagens ao longo do Nilo. Comparada com o efervescente Cairo e a disputada Luxor, a cidade oferece uma experiência mais tranquila e relaxada. Entre as maravilhas históricas está o Templo de Philae, dedicado a Ísis, a deusa da maternidade. O mais feminino dos templos egípcios ficava na ilha de Philae, mas, após a construção da Barragem de Aswan, foi cuidadosamente transferido, em um projeto audacioso da Unesco, para a ilha vizinha de Agilika. Assim como Guizé e Karnak, conta com um show noturno de som e luz, criando uma atmosfera mágica inigualável.

Aswan Templo de Philae: acredita-se que os últimos hieróglifos foram inscritos aqui

Templo de Philae: acredita-se que os últimos hieróglifos foram inscritos aqui (Memphis Tours/Divulgação)

Aswan é o ponto de partida para visitar mais um exuberante complexo arqueológico, Abu Simbel, a três horas da cidade, quase na fronteira com o Sudão. Trata-se de dois grandes templos escavados na rocha, construídos a pedido de Ramsés II – um em homenagem ao próprio faraó e outro a Nefertari, sua esposa preferida. Estão entre os monumentos mais conservados do país e impressionam pelo tamanho, tanto da fachada quanto dos grandes salões decorados em seu interior. Às margens do Lago Nasser, como Philae, esse tesouro local também precisou contar com imensos esforços internacionais para ser transportado da base para o cume da montanha onde estava, evitando que fosse inundado.

Outro passeio imperdível no Egito é fazer um cruzeiro pelo Nilo. São diversas as opções, indo de Aswan a Luxor (e vice-versa), passando pelos majestosos monumentos entre as duas cidades, emoldurados pelas águas do Nilo.

nilo egito Os cruzeiros pelo Nilo passam por diversos monumentos históricos

Os cruzeiros pelo Nilo passam por diversos monumentos históricos (Memphis Tours/Divulgação)

Em meio a tanta história, um pedacinho do paraíso

Nem só de majestosos monumentos históricos se faz um roteiro no Egito. O país também oferece belos destinos litorâneos. O mais conhecido e glamoroso, sem dúvida, é Sharm El Sheikh, na península do Sinai, banhado pelo Mar Vermelho. Ali estão enormes resorts cercados por palmeiras, muitas atrações noturnas e boas opções de compras e de gastronomia. No entanto, o grande destaque da cidade são as atividades na natureza, especialmente os esportes náuticos.

Com águas cristalinas e recifes de corais, esse é considerado um dos melhores lugares do mundo para mergulhar. No mar, é possível também praticar windsurfe, ir a praias selvagens, nadar no Blue Hole (o famoso buraco azul de Dahab) ou conhecer a vida subaquática sem se molhar, a bordo de um barco com fundo de vidro.

Em terra, o visitante pode ainda conhecer espetaculares formações rochosas, como as do Cânion Colorido de Nuweiba, ver paisagens desérticas únicas, fazer passeios de camelo ou safáris e visitar o Mosteiro de Santa Catarina, um dos mais antigos do mundo.

Além disso, dá para fazer a trilha que leva ao topo do Monte Sinai, onde, segundo a Bíblia, Moisés recebeu os Dez Mandamentos. A vista panorâmica desse lugar sagrado é de encher os olhos e uma experiência para levar para sempre na memória – como tudo nesse país extraordinário, de tantos encantos.

sharm el sheikh A costa de Sharm El Sheikh é tida como uma das melhores do planeta para quem quer mergulhar

A costa de Sharm El Sheikh é tida como uma das melhores do planeta para quem quer mergulhar (Memphis Tours/Divulgação)

Fonte: Viagem e Turismo

Comentários Facebook