Conselho da JBS se recusa a indicar interino para o lugar de Wesley

14/09/201702h00O conselho de administração da JBS contrariou novamente o BNDES e decidiu não indicar um presidente interino em reunião de emergência realizada nesta quarta-feira (14), após a de Wesley Batista.
A maior parte do colegiado entendeu que os fatos são graves, mas que deveriam evitar uma decisão precipitada. A tendência é o conselho aguardar o julgamento do habeas corpus solicitado pela defesa de Wesley para soltar o empresário.
Na reunião, a conselheira Claudia Santos, representante do BNDES, chegou a pedir a indicação de um presidente interino e sugeriu o nome de Gilberto Tomazoni, atual comandante das operações globais da JBS e ex-presidente da Sadia. Mas o assunto não chegou a ser votado.
Pela manhã, o BNDES já havia divulgado uma dizendo que “o conselho de administração é a instância adequada para escolher um presidente interino” e que “contribuiria para o melhor interesse da companhia a abertura de um processo seletivo para a escolha de um novo CEO em caráter definitivo”.
Desde que estourou a , a família Batista e o BNDES, que é o principal sócio minoritário com 21% de participação, vêm numa queda de braço pelo afastamento de Wesley.

Fonte: Folha de S.Paulo