Denunciadas novas separações de famílias na fronteira

A organização de direitos dos imigrantes Al Otro Lado denunciou na segunda-feira um novo caso de separação de famílias na fronteira dos Estados Unidos, onde 17 pais e mães foram detidos por uma semana sem ver seus filhos.

Segundo os ativistas, 17 imigrantes adultos desde 2 de março – data em que cruzaram a fronteira irregularmente do México e pediram asilo em um centro de detenção de imigrantes na Califórnia, foram separados de seus filhos. Outras 12 pessoas que também fizeram parte desse grupo e atravessaram no mesmo dia, no entanto, conseguiram deixar as instalações e puderam prosseguir com a outras cinco famílias. Membros de Al Otro Lado que puderam visitar o centro de detenção e falar com quatro das mães que foram detidas, disseram que se queixaram de “tratamento inadequado” por agentes de imigração, que ameaçaram uma das mulheres com ” mandá-la de volta para o seu país “.

A organização também denunciou o caso de uma outra mulher que fala Kekchi (a língua maia falada na Guatemala e Belize), que supostamente não lhe foi fornecido um intérprete e que foi “escarnecida e acusada de mentir quando observaram as dificuldades de se expressar em Espanhol “, relataram. Os 17 detidos fazem parte de um grupo de 29 pais e seus filhos que foram escoltados através da fronteira em 2 de março por líderes religiosos e ativistas de Al Otro Lado, “Famílias Pertencem Juntas” e “Together Rising”. Em 26 de fevereiro, o procurador-geral da Califórnia, o democrata Xavier Becerra, apresentou um relatório em que descreveu as condições de centros de detenção para imigrantes no estado em que se detectados problemas vezes confinamento excessivo, falha comunicações e pouca atenção médica. “Entre algumas barreiras que identificamos incluem longos períodos de confinamento e isolamento sem interrupções, barreiras linguísticas, problemas de comunicação com o mundo exterior e acesso legal”, disse Becerra nessa ocasião.

Fonte: Brazilian Press

Comentários Facebook