Caso ganhe a eleição Trump atacará massivamente a imigração, afirma seu conselheiro

Em uma entrevista na quinta-feira, Stephen Miller, conselheiro de Trump, destacou quatro prioridades principais para a imigração: limitar a concessão de asilo, punir e proibir as chamadas cidades-santuário, expandir a proibição de certos viajantes de certos países com controles mais rígidos para requerentes de visto e impõe novos limites aos vistos de trabalho.

O objetivo, disse ele, é “elevar e melhorar o padrão de entrada” nos Estados Unidos. De acordo com Sahil Kapur, um repórter da fonte política NBC News, alguns dos planos exigiriam legislação. Outros poderiam ser alcançados por meio de ações executivas, nas quais o governo Trump confiou fortemente na ausência de um grande projeto de lei de imigração.

Miller, que desempenha um papel duplo como conselheiro na Casa Branca e na campanha de reeleição de Trump, enfatizou que estava falando sobre as prioridades do segundo mandato apenas em sua capacidade de conselheiro de campanha.

Miller liderou uma política de imigração que os críticos descrevem como cruel, racista e antiética aos valores americanos como uma nação de imigrantes. Ele zomba dessas alegações, insistindo que sua única prioridade é proteger a segurança e os salários dos americanos.

No curto prazo, Miller não se comprometeria a suspender o congelamento de novos green cards e vistos que expiram no final do ano, dizendo que seria “totalmente dependente” da análise do governo que leva em conta a situação do mercado de trabalho.

Quando questionado se apoiaria o restabelecimento da polêmica política de “tolerância zero” que levou à separação das famílias, Miller disse que a administração Trump está “100 por cento comprometida com uma política de unidade familiar”, mas descreveu a política como algo que manteria as famílias unidas na detenção de imigração, alterando o que é conhecido como acordo de Flores.

“Outra grande prioridade em alto contraste será realmente reprimir as cidades-santuário”, disse Miller.

Ele observou que a administração reteve algumas concessões para cidades-santuário. Em um segundo mandato, disse ele, continuaria a batalha com duas novas iniciativas.

Em primeiro lugar, disse Miller, Trump aprovaria uma legislação apresentada pelo senador republicano da Carolina do Norte, Thom Tillis que puniria as jurisdições que se recusassem a entregar indivíduos presos que estão ilegalmente nos Estados Unidos para deportação. Em segundo lugar, Trump daria um passo adiante com uma lei para “banir a prática”, o que obrigaria as autoridades a entregar esses migrantes aos federais.

Miller afirmou que outra prioridade seria “construir e expandir a estrutura que criamos com o veto migratório (para cidadãos de alguns países), em termos de elevação do padrão de triagem e exame para admissão nos Estados Unidos”.

Miller indicou que a administração de Trump em um segundo mandato continuaria os esforços para reduzir o uso de programas de trabalhadores convidados, como vistos H-1B, incluindo a eliminação do sistema de loteria usado no processo quando os pedidos excedem a cota anual e priorizando aqueles que recebem os salários mais altos.

Ele disse que Trump buscaria um “sistema de entrada baseado em pontos” para as concessões de vistos dos EUA, com o objetivo de admitir apenas aqueles que “podem contribuir mais para a criação de empregos e oportunidades econômicas”, evitando o “deslocamento de trabalhadores americanos”.

Fonte: Brazilian Press

Comentários Facebook