Brasileira de 10 anos é vítima de assédio sexual em parque aquático de Orlando

Uma brasileira de 10 anos foi vítima de assédio sexual por um homem de 26 anos dentro de uma das piscinas do Volcano Bay – um dos mais famosos parques aquáticos de Orlando.

O episódio aconteceu na quinta-feira, 27, e o acusado foi preso no mesmo dia e levado para cadeia do Departamento de Polícia de Orange County onde aguarda julgamento.

Harry Booth, 26, da Carolina do Sul, é acusado de apalpar a genitália da garota sob o maiô enquanto ela nadava numa das piscinas do parque, o que, pela lei da Flórida, é considerado assédio sexual.

De acordo com a queixa criminal contra Booth, o acusado se aproximou intencionalmente da menina e tocou sua parte íntima. A menina de 10 anos, que está a passeio na Flórida, disse à polícia que estava boiando em um dos rios quando se aproximou de um grupo de jovens.

A menina disse aos investigadores que Booth se separou intencionalmente do seu grupo de amigos e aproximou-se dela. Ele então tocou e agarrou sua parte íntima enquanto ela flutuava.

Professor de Broward é acusado de manter relação sexual com estudante do ensino fundamental

Ela chamou a tia que a acompanhava e contou o que aconteceu. A tia chamou um salva-vidas e os agentes de segurança que mantiveram vigilância constante no rapaz até a chegada da polícia.

Autoridades disseram que a vítima sabia que o contato não poderia ter sido acidental. O policial que escreveu o relatório observou que a menina é pequena e que, para alcançá-la, alguém teria que tentar agarrá-la na área da virilha.

O jovem foi levado direto do Volcano Bay para a Cadeia de Orange County, disse a polícia. Os investigadores disseram que ele estava bem confuso sobre o que aconteceu quando foi questionado pelos policiais.

Segundo um oficial, “Seu corpo tremia, ele mordia o lábio repetidamente e desviava o olhar como se estivesse inventando uma história”. O jovem enfrenta uma acusação de ato obsceno e assédio sexual e está preso sem direito a fiança. Com informações do WFLA.

Lei da Flórida

Pelo estatuto da Flórida, o crime de assédio sexual contra crianças com menos de 12 anos prevê prisão perpétua ou de no mínimo 25 anos, e o crime de estupro prevê pena de morte. A lei do estado considera assédio sexual tocar as partes íntimas da vítima ou forçá-la a tocar as partes íntimas do suspeito.

O Estatuto da Flórida 800.04 (5), diz ainda que o crime de ato lascivo ou obsceno é cometido quando uma pessoa intencionalmente toca os seios, genitais ou nádegas de uma criança com menos de 16 anos de uma maneira lasciva; ou encoraja, força ou estimula uma criança com menos de 16 anos a tocar outra pessoa de maneira indecente ou lasciva.

As penalidades para tais atos são determinadas pelo fato de o agressor ser um adulto ou um menor e também pelo fato de a criança ser menor de 12 anos.

Segundo a lei, o crime de ato lascivo ou abuso sexual por uma pessoa de 18 anos ou mais em uma criança menor de 12 anos é um Crime de Vida punível com uma sentença mínima de 25 anos de prisão seguida de prisão perpétua e multa de US $ 10.000.

Sob o Código de Punição Criminal da Flórida, a tais atos cometidos por uma pessoa de 18 anos ou mais em uma criança menor de 12 anos, é atribuído a uma classificação de gravidade de ofensa Nível 9 com condenação mínima obrigatória de 25 anos de prisão, seguida por liberdade condicional ou controle comunitário pelo resto da vida natural da pessoa.

O post Brasileira de 10 anos é vítima de assédio sexual em parque aquático de Orlando apareceu primeiro em .

Fonte: Gazeta News

Comentários Facebook