Brasileira acusada de jogar filha na lixeira diz que marido é o pai

Foto31 Rafaelle Carvalho Sousa 1 1 Brasileira acusada de jogar filha na lixeira diz que marido é o pai
Rafaelle Carvalho Sousa é acusada de tentativa de homicídio com agravantes e abuso infantil

Rafaelle Alessandra Carvalho Sousa relatou às autoridades que o companheiro, Carlos Jimenes Martins, era o pai do bebê recém-nascido

O último Dia das Mães, a manicure Rafaelle Alessandra Carvalho Sousa, de 35 anos, passou na Penitenciária do Condado de Palm Beach, enquanto aguarda o desfecho de tentativa de homicídio com agravantes e abuso infantil. Num hospital a várias milhas de distância do local, está a filha recém-nascida que ela tentou matar na manhã de quarta-feira (12). A brasileira, moradora em Boca Raton (FL), colocou o bebê num saco plástico de lixo e colocou na lixeira do condomínio onde mora, informou a polícia.

Carlos Jimenes Martins, o namorado que imigrou com Rafaelle do Brasil há 10 anos, revelou à imprensa local que o incidente envolvendo a família dele o deixou surpreso e devastado. Primeiramente, a descoberta do bebê descartado no lixo que ele sequer sabia que estava a caminho, muito menos nascido. Depois, a confissão chocante da namorada e, finalmente, o momento dramático de ver as autoridades levarem embora o filho de 3 anos do casal.

“Eu sinto-me de duas formas diferentes sobre ela (a namorada) nesse momento: Eu estou muito triste por ela e furioso com ela”, revelou. “Por que? Por que ela não me disse? I jamais deixaria que isso acontecesse. Aquele bebezinho é minha filha. Eu nunca permitiria que ela fosse jogada fora ou dada”.

Carlos, que trabalha numa companhia de jardinagem o dia inteiro, disse que não percebeu a gravidez da companheira. Ela costumava a trajar roupas largas, relatou. Além disso, ela usava uma cinta larga em volta da cintura para aliviar as dores nas costas frequentes.

O ritmo agitado da vida de ambos também não ajudou. Ele relatou que sai de casa às 7 horas da manhã todos os dias para o trabalho em horário integral e estuda cursos online à noite. Durante os finais de semana, ele participa de um grupo de samba e atividades na igreja. Na madrugada em que agora acredita que o parto ocorreu, no banheiro de visitas do apartamento de 2 quartos, ele dormia e não percebeu que Rafaelle não estava na cama do casal. Quando ele passou por ela na cozinha, pouco antes de sair para o trabalho, na quarta-feira de manhã, ela estava ocupada com a rotina diária, preparando o café da manhã e arrumando as coisas. Foi somente depois de ter regressado à casa que tomou conhecimento das revelações e a presença massiva da polícia.

“Ela estava sentada ali, virou-se para mim: ‘Eu fiz isso’. Ela confessou para mim. Ela disse-me, ‘este é um problema meu, não seu’. Eu disse a ela, ‘o que você fez?’ Então, eu fui e contei à polícia”, relatou Carlos, que está proibido de ver o filho e a bebê, que ele disse ser filha dele.

Ele passou a manhã tentando compreender o que causou o incidente. As autoridades ainda não determinaram se a brasileira sabia que estava grávida. O namorado relatou não saber os motivos.

“Uma noite dessas, nós saímos e bebemos um pouco. Mais tarde, ela sentiu-se mal e vomitou. Eu me pergunto por que ela beberia se soubesse que estava grávida?”. Questionou. “Talvez, ela não soubesse ou é uma pessoa horrível”.

Carlos especula se a companheira teve um parto prematuro. “Ela disse que o bebê não chorava. Ela esperou para ver se o bebê reagia, mas ele não reagiu. É isso o que ela disse quando a polícia esteve aqui naquele dia. Eu realmente não sei”, relatou.

Ele frisou que a colega que compartilha o apartamento não ouviu nada naquela noite. O brasileiro deixou claro que quer a custódia dos dois filhos. “Eles são a minha prioridade”, disse ele. “Nós tínhamos uma vida boa. Nós trabalhamos arduamente. Nós suprimos nossas necessidades. Nunca faltou comida aqui. Nós poderíamos ter o bebê”.

Durante entrevista à imprensa local, Carlos revelou que deseja dar o nome “Sara” à criança. “Eu quero chama-la de Sara. É um nome bonito. É gentil e normal”, finalizou.

Inicialmente, para tentar a custódia da menina, o brasileiro terá que ser submetido a um teste de DNA para comprovar a paternidade. Durante a audiência de terça-feira (11), Rafaelle disse às autoridades que o companheiro é o pai biológico do bebê.

Fonte: Brazilian Voice

Comentários Facebook