INVESTIMENTOS: VOCÊ TEM DADO A DEVIDA IMPORTÂNCIA?

Para todos que exercem atividades com remuneração, o dia mais aguardado certamente é o dia do…

Para todos que exercem atividades com remuneração, o dia mais aguardado certamente é o dia do pagamento! E a partir desta data que religiosamente se repete todos os meses começa uma maratona de liquidações. Parcela do cartão, cheque especial, mensalidades das mais diversas entre vários outros compromissos financeiros que não tem como fugir e que quando percebemos o nosso suado salário já foi absorvido por todas essas contas sanguessuga. Contudo, muitas vezes não nos lembramos de que precisamos construir reservas para no curto prazo, lidar com imprevistos, e a longo prazo, tornar o futuro mais seguro e confortável.

Em uma economia instável como a economia brasileira nos últimos tempos, é imprescindível ter reservas financeiras pensando no futuro. É importante criar o hábito de poupar, mas de forma consciente, ou seja, a ideia de deixar o dinheiro no porquinho ou embaixo do colchão já está fora de cogitação, é importante aprender a fazer o dinheiro trabalhar para você!

COMO DAR O PRIMEIRO PASSO PARA FAZER O SEU DINHEIRO “TRABALHAR”?

Primeiro, é necessário entender que há uma necessidade de criar uma reserva financeira. Não é saudável para sua vida econômica fechar todos os meses sem conseguir poupar nada. Viver no limite de suas contas é perigoso e pode gerar diversas complicações, porque acredite: imprevistos acontecem!

Vamos considerar uma situação hipotética: Você fechou o mês no azul, com todas as contas devidamente liquidadas, mas, sem nenhuma reserva. Surpreendente, o motor do seu carro apresenta um problema inesperado, impossibilitando você de usá-lo e você precisa consertar com o máximo de urgência para conseguir trabalhar.

Nesta hora, sem nenhuma reserva financeira, suas alternativas serão cheque especial, ou um empréstimo consignado, ambas alternativas com juros extremamente altos. Por menor que fosse o valor do conserto, como não há nenhuma reserva você pode ser obrigado a utilizar uma dessas alternativas, e acabar pagando taxas elevadíssimas de juros, muitas vezes, sobre um valor que poderia estar reservado em suas finanças.

Essa é uma situação hipotética, mas muito comum, e é desta forma que a vida financeira começa a “se enrolar” e gerar dívidas desnecessárias.

Contudo, se todo mês houvesse uma reserva financeira essa situação seria bem diferente, não é? Esse é um grande passo para começar a investir. Você precisa ter o que investir. Economistas recomendam que seja direcionado de 25 a 30% dos rendimentos para investimentos. Dessa forma, é possível alocar as reservas financeiras nas mais diversas modalidades de investimentos, tais como CDB, Títulos Públicos, investimentos de renda fixa ou de renda variável, a quantidade de opções é gigante.

Com um hábito de poupar, e com a meta de investir todos os meses, é possível ver o seu dinheiro trabalhar, ou seja, render mais do que inicialmente aportou. Essa estratégia é acessível a todos os públicos e praticamente, para qualquer valor de capital inicial. É uma forma de maximizar os recursos adquiridos durante o mês, e conseguir construir uma situação mais confortável para possíveis imprevistos ou até oportunidades que surjam no curto prazo, e com um pensamento mais distante, garantir uma aposentadoria com mais opções, frutos dos investimentos realizados agora.

Fonte: Redação Braziliantimes

Fonte: Brazilian Times

Comentários Facebook